Sexta-feira, 31 de Julho de 2009
“YVES KLEIN LA REVOLUTION BLEUE”_FRANÇOIS LÉVY-KUENTZ 07
yvesklein_4.jpg

yvesklein_3.jpg

Já vi o domentário Yves Klein La Revolution Bleue (François Lévy-Kuentz, 2007) há uns tempos mas recentemente andei a rever esta obra magnifica que conta a história de um dos artistas, quanto a mim, mais interessantes do século XX. As ficções happennings de Klein, juntamente com as acções de Joseph Beuys, são entusiasmantes pela sua componente narrativa mas também pela vontade de transformar a arte numa forma de vida. O facto de não se saber ao certo se a história da queda do avião onde Beyus seguia, na Crimeia, durante a Segunda Guerra Mundial, é verdade, faz dele um artista enigmático que usou, na sua obra, os materiais que, segundo reza esta versão possível dos acontecimentos reais, os tártaros usaram para lhe salvar a vida, feltro e gordura. Depois, Joseph Beuys deambula por tantos territórios, das letras, às artes visuais (escultura, vídeo, performance, instalação…), à culinária. Exímio cozinheiro, com receitas publicadas em livro, o artista alemão soube avant la lettre o efeito que a influência da arte oriental ia ter no ocidente, ou seja, que a arte se ia progressivamente tornando viva, i. e., cada vez mais preocupada com as questões do dia-a-dia. Contudo ainda hoje, por todos os lados, se insiste e se debatem partículas mortas e enterradas.

yvesklein.jpg

yvesklein_1.jpg

O documentário Yves Klein La Revolution Bleue, cheio de imagens da época e narrado na primeira pessoa, ou seja, através da voz do defunto Klein, qual Brás Kubas de Machado de Assis, vem chamar a atenção precisamente para a importância da vida do artista e como esta está intricadamente relacionada com a obra do mesmo. As acções de Klein são bastante conhecidas, performances poéticas à volta da utilização do corpo humano como pincel. É apenas de lamentar, porque é de facto surpreendente, mas ok, estávamos nos anos sessenta e a revolução sexual ainda era uma virtualidade só para alguns, diria o escritor japonês Haruki Murakami, que o artista só usasse mulheres, uma vez que a inspiração lhe surge numa viagem ao Japão quando visitou o país para fazer um exame de Judo. No Japão, Klein terá visto a criação deste tipo de telas a partir de pinceladas produzidas pela dança do corpo humano mas estas tiravam partido do corpo masculino e não do feminino. Como encenador da performance o artista francês dedica-se apenas à aplicação de corpos femininos tintados de azul sob fundos brancos. O efeito é surpreendente. Todas estas acções foram registadas em vídeo e aparecem no documentário acima mencionado.

yvesklein_5.jpg

yvesklein_2.jpg

A marca de azul que Klein criou, Blu(e) Klein, e a amizade com o escritor italiano Dino Buzzati mas também com Jean Cocteau, certamente que contribuíram para imbuir as obras do artista francês de um carácter sinergético bastante enigmático. Yves Klein fez do seu próprio casamento uma performance e teve o primeiro sintoma de ataque cardíaco quando foi ao festival de Cannes ver um filme sobre a sua obra que se revelou grotesco. O artista francês não resistiu ao choque e morreu pouco tempo depois com apenas 34 anos, depois de 7 anos de uma produção artística intensa. Yves Klein viveu toda a sua vida consciente da obra que deixava, é como se tivesse plena consciência que enquanto estivesse vivo estava a produzir obras que ficariam na memória e que perdurariam "para todo o sempre". Para mim, assim como para Henry Jenkins neste texto, a arte que vale realmente a pena é aquela que está viva e Klein soube isso muito antes de se falar no assunto. O dia-a-dia com toda a sua fluidez, com todas as suas sinuosidades, é um território que vale a pena inquirir, para uma estética da vida, com Michel Maffesoli e Haruki Murakami. Este foi o ano em que também me apaixonei pela obra de Haruki Murakami. Neste documentário, sobre a vida e obra de Yves Klein, compreendemos a complexidade e viajamos com um dos cérebros mais prolíficos na criação de uma ficção da vida mas também sobre a vida. 


8 comentários:
De Eusébio Almeida a 31 de Julho de 2009 às 20:13
Olá Patrícia!
Sou um grande apreciador das tuas reflexões teóricas, e um consumidor/devorador obsessivo das tuas imagens.
De facto, tens uma forma muito inteligente de abordar as questões inquietantes da contemporaneidade. Agrada-me imenso esse teu confronto crítico, aberto, plural, criativo, sedutor e disseminativo com algumas das muitas urgências/emergências do nosso tempo (se bem que tempo nenhum nos pertença).

Eusébio a caminho do deserto...


De Anónimo a 1 de Agosto de 2009 às 14:26


De fosquinhas a 3 de Agosto de 2009 às 08:32
sim, a autora desta frase merece no minimo o prémio Nobel dos sabichões:

"Exímio cozinheiro, com receitas publicadas em livro, o artista alemão soube avant la lettre o efeito que a influência da arte oriental ia ter no ocidente, ou seja, que a arte se ia progressivamente tornando viva, i. e., cada vez mais preocupada com as questões do dia-a-dia. Contudo ainda hoje, por todos os lados, se insiste e se debatem partículas mortas e enterradas."

chamo particularmente a atenção para a formula "o artista alemão soube avant la lettre" e ainda ha quem diga que os profetas nem na biblia existe... claro que se não fosse "eximio cozinheiro", o conhecimento da arte oriental ter-lhe-ia passado ao lado, dai a ligação com o Saramago José niponico, Murakami Haruki. Quando à ideia da progressiva vivificação (e preocupicação?) da arte, devemos louvar o imenso talento conceptual: de facto foi na década de 40 do século XX, que a arte acordou e ao despertar, depois do pequeno almoço, começou logo a mexer, a viver e a preocupar-se com as questões do dia a dia. Dizem alguns dos mais conceituados inteligentões contemporâneos que o momento em que a arte se espreguiçava é concomitante com a queda do avião do gourmet germânico. Graças a este documentario, sabemos agora que a mesma maquina volante se despenhou em 1969 numa tela de Yves Klein. O célebre azul não é mais do que a cor das visceras de Beuys. Ao contrario das particulas mortas e enterradas da maioria dos cadaveres de artistas, as particulas de Beuys continuam vivinhas da costa bem como as de Klein.
Thank you! So much!
P.S. Michel Mafesolli anda extremamente fatigado e pede para que o não envolvam nestas orgias que (passo a citar) "tresandam" ("puent").


De mouseland a 3 de Agosto de 2009 às 18:40
:mrgreen::mrgreen::mrgreen: Caro Eusébio, Bem-vindo à mouseland! Obridado pelos comentários e boa estada no deserto.

Caro Livio, :???: :???: :???: aconselho vivamente a leitura do conto de Murakami "Ascensão e Queda dos Azedos" publicado entre nós no livro "A Rapariga que Inventou um Sonho". Segundo me apercebo tu és um indivíduo da estirpe dos corvos que comem os outros corvos para impedir que estes apreciem os azedos, uma parábola ao meios literários nipónicos que tanto massacraram o escritor. Vale a pena. xxx mouse


De fosquinhas a 4 de Agosto de 2009 às 08:17
Esses "individuos" dessa "estirpe" que devoram outros individuos da mesma espécie chamam-se canibais. De facto, não sou fã dos bons sentimentos veiculados por essas reconfortantes parabolas. Ao Haruki, prefiro o Ryu ou o Yukio.


De mouseland a 4 de Agosto de 2009 às 13:47
:mrgreen::mrgreen::mrgreen: Caro Livio, Pois eu calculei mas atenção que os corvos não se comem uns aos outros normalmente, como os canibais, como medida de subsistência mas apenas para impedir que os outros corvos se afeiçoem aos azedos que quebram a tradição. Um facto importante. xxx mouse


De margarida a 6 de Agosto de 2009 às 11:58
Olá mouse, eu gostava muito de ver este documentário:mrgreen: Fiquei imenso tempo no Reina Sofia a ver o belíssimo Antropometria sin título http://www.museoreinasofia.es/coleccion/obras/yves-klein.html
Aliás trouxe de Madrid alguns documentários interessantes, um sobre a Lee Miller, outro sobre o William Eggleston e ainda o "The art and films of Lynn Hershman Leeson" pelo que tenho muitos cromos para a troca se quiseres :grin:
beijinhos.


De mouseland a 6 de Agosto de 2009 às 19:25
:mrgreen::mrgreen::mrgreen: Olá Margarida, quando vais de férias? Vou ver se antes de dia 13 de Agosto ainda tomamos um café, ok? Segunda ou Terça-feira? xxx mouse


Comentar post

.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

31


.posts recentes

. EM SÃO PAULO, ENTRE OS RU...

. "THE LAST OF US", AMOR, L...

. QUE SORTE PODER VOLTAR A ...

. MEXICO DF UMA CIDADE ONDE...

. A MINHA SAGA COM O CANDY ...

. QUATRO FILMES A NÃO PERDE...

. PABLO ESCOBAR, O PATRÃO D...

. A MINHA FRUSTRAÇÃO COM O ...

. "THE WALKING DEAD" (GAME)...

. NUMA JANGADA DE POVOS IBÉ...

.arquivos

. Março 2014

. Dezembro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Maio 2012

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

.tags

. apostas

. arte e design

. artes e design

. cibercultura

. ciberfeminismo

. cibermemórias

. cinema

. colaborações

. divulgação

. enigmas

. entrevista

. exposições

. festas

. game art

. game art exposições

. gamers

. iconografias

. indústria de jogos

. interfaces

. jogos e violência

. livros sobre jogos

. mouse conf.

. mouse no obvious

. mouseland

. myspace

. pop_playlist_game

. portfólios

. script

. segredos

. séries tv

. teatro

. textos

. viagens

. viagens cinema

. todas as tags

.links
.participar

. participe neste blog

.MOUSELAND _ PATRÍCIA GOUVEIA
ARTES E JOGOS _ DIGITAIS E ANALÓGICOS
blogs SAPO
.subscrever feeds