Domingo, 31 de Janeiro de 2010
NUMA ESTRADA PARA LADO NENHUM…
theroad_4.jpg

theroad.jpg

theroad_2.jpg

Para fechar o cinzento mês de Janeiro nada como uma pequena ronda pelas estreias cinematográficas. A semana passada fui ver o tão esperado filme The Road (John Hillcoat, 2009) e a experiência valeu a pena embora seja imprescindível ler o livro de Cormac McCarthy primeiro. O filme funciona quase como uma ilustração “viva” da narrativa do livro e o cenário apocalíptico completa, de forma expressiva, as sensações duras do enredo que nos atira para um dia-a-dia de sobrevivência no qual um pai tenta, por todos os meios, prolongar a vida do filho. Uma caminhada sem fim para chegar ao sul sem sequer saber o que por lá se pode encontrar. A tonalidade acastanhada e sépia da imagem cinematográfica, misturada com um grão cinzento constante, levam-nos a sentir uma angústia permanente. As cinzas sufocam o espectador e o desconforto é total. No cenário actual, que nos remete para a tragédia do Haiti, este drama ainda é mais complicado de engolir. Qualquer analepse, onde vemos a bela Charlize Theron, no papel da mãe do rapaz, feliz num ambiente confortável e “normal”, pré catástrofe, com Viggo Mortensen, pai do miúdo, nos deixa absolutamente desconfortáveis, com um nó na garganta. Aquela realidade é demasiado cruel e o espectador não pode deixar de sentir uma propensão para optar por seguir os sensatos passos da figura feminina. No final, acho que só se consegue suspirar de tristeza. O filme, tal como antes o livro, leva-nos ao inferno. Curiosa é a cena na cascata onde o rapaz não pode acompanhar a nudez do pai, talvez devido à moral vigente, o que ainda causa maior perplexidade pois são os calções (cuecas) cozidos, para não lhe caírem pelas pernas, que nos recordam que estamos no inferno. A descoberta do abrigo, o banho com shampoo e a primeira coca-cola são momentos emocionalmente difíceis. Uma semana depois de ter visto o filme ainda sinto que reviver a história do livro, através das imagens, deixa qualquer um num estado no qual temos que respirar fundo para suportar o incómodo de pensar naquela situação.

theroad_1.jpg

theroad_3.jpg

theroad_5.jpg
tags:


4 comentários:
De migalha a 1 de Fevereiro de 2010 às 12:54
Penso que se pode ver primeiro o filme pois este apresenta-nos uma versão fiel, mas light, do livro do grande escritor norte-americano. É uma inquietante peça de teatro que não pode deixar ninguém indiferente. O horror é omnipresente e dá-nos um panorama do ser humano em “regressão” para uma fase de quase selvagem, JJ Rousseau que me perdoe! Mais uma grande actuação de Viggo Mortensen.


De mouseland a 1 de Fevereiro de 2010 às 18:33
:mrgreen::mrgreen::mrgreen: Obrigado Migalha! É verdade que eu tenho a sensação, absolutamente subjectiva, claro, que depois de ver um filme terei dificuldade em ler o livro mas há pessoas bem diferentes e pode ser que seja possível. Acho o contrário mais fácil e até adoro ver filmes de livros que li. O que foi o caso e, felizmente, não fiquei nada desiludida. xxx mouse


De migalha a 6 de Fevereiro de 2010 às 12:05
Não pode ser regra pré-concebida que após se ver um filme seja difícil ler o livro no qual aquele se baseou, principalmente quando o/a cineasta deseja seguir o "espírito" da obra impressa. Lembro-me, por exemplo, que após ver o filme The Age of Innocence, Martin Scorsese, decidi ler o livro, de 1920, de Edith Wharton, essa referência da escrita norte americana do início do século passado, nem que seja pelo facto de ter sido a primeira mulher a ganhar um Pulitzer. E por isso só tenho a agradecer ao cineasta por me ter despertado para uma escritora que conhecia de nome mas que nunca tinha tido a curiosidade de ler. Em boa hora o fiz... Para apreciar melhor a subtileza da sua escrita, o seu fino sentido satírico dos usos e costumes da old New York City aconselho vivamente o The House of Mirth.


De mouseland a 8 de Fevereiro de 2010 às 00:06
:mrgreen::mrgreen::mrgreen: Olá Migalha, eu disse que não é regra pré-concebida, hein? Então se os livros não tiverem nada a ver com os filmes e estes forem adaptações grosseiras como às vezes acontece o melhor é não perder o livro. Mas o caso que referes é outro bom exemplo de adaptação ao cinema. Obrigado. Fica a sugestão para uma leitura futura. xxx mouse


Comentar post

.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

31


.posts recentes

. EM SÃO PAULO, ENTRE OS RU...

. "THE LAST OF US", AMOR, L...

. QUE SORTE PODER VOLTAR A ...

. MEXICO DF UMA CIDADE ONDE...

. A MINHA SAGA COM O CANDY ...

. QUATRO FILMES A NÃO PERDE...

. PABLO ESCOBAR, O PATRÃO D...

. A MINHA FRUSTRAÇÃO COM O ...

. "THE WALKING DEAD" (GAME)...

. NUMA JANGADA DE POVOS IBÉ...

.arquivos

. Março 2014

. Dezembro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Maio 2012

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

.tags

. apostas

. arte e design

. artes e design

. cibercultura

. ciberfeminismo

. cibermemórias

. cinema

. colaborações

. divulgação

. enigmas

. entrevista

. exposições

. festas

. game art

. game art exposições

. gamers

. iconografias

. indústria de jogos

. interfaces

. jogos e violência

. livros sobre jogos

. mouse conf.

. mouse no obvious

. mouseland

. myspace

. pop_playlist_game

. portfólios

. script

. segredos

. séries tv

. teatro

. textos

. viagens

. viagens cinema

. todas as tags

.links
.participar

. participe neste blog

.MOUSELAND _ PATRÍCIA GOUVEIA
ARTES E JOGOS _ DIGITAIS E ANALÓGICOS
blogs SAPO
.subscrever feeds