Quarta-feira, 29 de Maio de 2013
QUITO, EQUADOR _ UM MISTO DE ESTÉTICA EUROPEIA E ARTE INDÍGENA











Uma ida a Quito vale mesmo a pena. O centro histórico da cidade é dos mais bonitos, menos alterados e bem preservados da América Latina. Em conjunto com Cracóvia, a cidade de Quito foi reconhecida como World Heritage Site pela Unesco no dia 18 de Setembro de 1978. Andar pelas ruas da cidade, a uma altitude de 2,850 metros acima da linha do mar, entre as montanhas do vulcão Pichincha e os monumentos coloniais, um misto de estética europeia e arte indígena, é uma experiência que não se esquece com facilidade. No documentário “Debtocracy” de 2011, disponível on-line, recordo-me que o Equador é apresentado como o país que, pela mão do então primeiro-ministro, hoje presidente, Rafael Correa, renegociou a dívida que tinha contraído e aplicou parte desse montante em políticas sociais, saúde e educação. Do pouco tempo que tive neste país consegui sentir menores assimetrias sociais do que é normal por estes lados. Os contrastes entre ricos e pobres, infelizmente tão omnipresentes na América Latina, ali pareciam menos flagrantes. Mas pode ter sido uma mera sensação turística.











Além do centro histórico, aconselha-se uma visita de autocarro panorâmico pelos ex libris da cidade, melhor ainda se se tiver sorte e estiver sol, que foi o nosso caso, e é obrigatória uma subida de teleférico até ao topo da montanha, a 4,000 metros de altitude. Aí tem-se acesso a uma paisagem magnífica, musgo seco castanho e verde, entre antenas gigantes, um aglomerado horizontal de casas minúsculas lá em baixo, lamas e cavalos de estimação e um ambiente de montanha que vale a pena experimentar. A temperatura é normalmente amena, tal como em Bogotá na Colômbia, encontram-se as quatro estações num só dia, dizem os equatorianos, tal como os colombianos. Se está sol fica um calor assinalável, pode chover a qualquer momento e depois ficar radioso ou fresco. As nuvens são constantes. Nenhuma previsão meteorológica consegue acertar com o clima local e, como nos assegurou um taxista, se os especialistas da meteorologia dizem que vai fazer sol à tarde faz chuva e vice-versa para a manhã. Quito furta-se às previsões monetárias e climatéricas, floresce como entidade independente.










Vale a pena visitar a fundação Capilla del Hombre ou Guayasamin, uma criação do artista equatoriano Oswaldo Guayasamin, num espaço projectado pelo seu irmão arquitecto. Aqui apresentam-se as surpreendentes obras do pintor, fotografias das suas visitas ao estrangeiro com importantes chefes de estado da América Latina mas também da China e Espanha, de Mão Tse Tung a Felipe González, entre outros. Algumas obras plásticas são impressionantes e pelo espaço podemos ler frases do autor: “yo llore porque no tenia zapatos hasta que vi um niño que no tenia pies”. De seguida, pode-se visitar a antiga casa do pintor hoje convertida num museu que o mesmo fez questão de planear como legado para a cidade.











No Centro Cultural Metropolitano, no centro da cidade, por acaso, deparámos com a exposição do artista equatoriano Sócrates Ulloa, com o título “Fantasmas de un cajón… y otros”. Desenhos de tinta-da-china sobre papel pardo com personagens curiosas. Pinturas sobre o tango que misturam cor e som e outras variantes sobre movimento pictórico. Uma mostra curiosa.

Os equatorianos parecem bastante tímidos mas quando confrontados com algum pedido de ajuda são muito simpáticos. Nada impositivos. O país é pacato comparado com outros lugares da América Latina. Convencidos pela opinião local acabámos a visitar "La Ciudad Mitad del Mundo", um monumento principal com inúmero(a)s museus/tendas temáticas, restaurantes, uma sala de espectáculos e casas de artesanato. Um espaço consagrado à linha que separa o mundo em dois hemisférios. Colocar um pé no hemisfério sul e outro no norte diz a sabedoria popular que dá muito boa energia. Há mais mitos associados. A cidade de faz-de-conta fica a aproximadamente 30 minutos de táxi de Quito mas sinceramente o passeio não é fundamental. O mais interessante foi poder explorar um pouco dos arredores de Quito durante a viagem. Nesse dia era dia da mãe e, no Equador, tal como na Colômbia, esta data é levada muito a sério. Os restaurantes enchem e as lojas há semanas que assinalavam o acontecimento. O recinto estava cheio, com um concerto a decorrer e outros eventos, e dava para ver que os equatorianos vibravam com aquilo. Parecia uma feira ao ar livre com algumas curiosidades relacionadas com a separação do mundo em dois, a altitude e afins. Nada excitante.












A moeda local é o dólar americano, adoptado em 2000, por muito bizarro que pareça. A carne é deliciosa, ao contrário da colombiana que não é grande coisa, parece a da Argentina ou Uruguai, uma delícia. As lojas e o artesanato em geral são mais saloia(o)s do que a(o)s da vizinha Bogotá. As lojas estão cheias de escritos anarcas à mão e salamaleques decorativos, apresentam produtos a granel, e o artesanato é quase todo igual sem as subtilezas do misto de artesanato/design colombiano. As marcas, se é que podemos falar de marcas em Quito em matéria de artesanato… são mais pobres e menos cosmopolitas. Têm um café do género do colombiano Juan Valdez mas nada que se assemelhe em estilo gráfico. A cidade modelo de Quito é a vizinha capital da Colômbia, imitaram-lhe os passeios de bicicleta ao domingo e outras estratégias sociais. No entanto, como nos dizia outro taxista, o Equador tem mais qualidade de vida do que a Colômbia, é um país pacato e muitos colombianos têm encontrado aí refúgio. Há gostos para tudo. Até as bandeiras são parecidas.

À saída do país fizeram-nos um interrogatório moroso sobre o conteúdo da nossa mala de viagem de vinte quilos, que tínhamos despachado poucos minutos antes, mas pelo menos não a revistaram. A nossa morada na Colômbia não facilita o intercâmbio pela América Latina mas o passaporte europeu ajuda muito. O polícia, afinal, só queria mostrar serviço. Burocracias e subornos são frequentes nestes países e o lado intimidatório dos agentes da lei podem deixar um europeu de cabelos em pé. No conjunto foram quatro dias muito bem passados. Gostei bastante de Quito.









 




.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

31


.posts recentes

. EM SÃO PAULO, ENTRE OS RU...

. "THE LAST OF US", AMOR, L...

. QUE SORTE PODER VOLTAR A ...

. MEXICO DF UMA CIDADE ONDE...

. A MINHA SAGA COM O CANDY ...

. QUATRO FILMES A NÃO PERDE...

. PABLO ESCOBAR, O PATRÃO D...

. A MINHA FRUSTRAÇÃO COM O ...

. "THE WALKING DEAD" (GAME)...

. NUMA JANGADA DE POVOS IBÉ...

.arquivos

. Março 2014

. Dezembro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Maio 2012

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

.tags

. apostas

. arte e design

. artes e design

. cibercultura

. ciberfeminismo

. cibermemórias

. cinema

. colaborações

. divulgação

. enigmas

. entrevista

. exposições

. festas

. game art

. game art exposições

. gamers

. iconografias

. indústria de jogos

. interfaces

. jogos e violência

. livros sobre jogos

. mouse conf.

. mouse no obvious

. mouseland

. myspace

. pop_playlist_game

. portfólios

. script

. segredos

. séries tv

. teatro

. textos

. viagens

. viagens cinema

. todas as tags

.links
.participar

. participe neste blog

.MOUSELAND _ PATRÍCIA GOUVEIA
ARTES E JOGOS _ DIGITAIS E ANALÓGICOS
blogs SAPO
.subscrever feeds