Quarta-feira, 14 de Agosto de 2013
PABLO ESCOBAR, O PATRÃO DO MAL (2013) _ A SÉRIE (CARACOL TV, 2013)







Acabei de ver a série Pablo Escobar, el Patrón del Mal (Caracol TV Internacional, 2012), uma polémica produção da televisão Colombiana sobre a vida de um dos homens mais perigosos desse país. Com o slogan El que no conoce su historia está condenado a repetirla” e baseada no livro La Parábola de Pablo de Alonso Salazar esta série faz uma homenagem às vítimas do cartel de Medellín. Nela se relatam as memórias de um país devastado pela guerra contra o narcotráfico durante mais de uma década. Esta produção contou com a colaboração de 1300 actores e foi filmada em vários locais da Colômbia e em Miami.

A saga de setenta e dois episódios, na versão dos dezasseis DVD’s em duas caixas, começa com Pablo Escobar em criança mas logo transita para o início da década de oitenta quando o chefe dos sicários começa a impor as suas regras. A partir daí e até final de mil novecentos e noventa e três, quando Escobar é morto pela polícia, os espectadores vão conhecendo um dos piores momentos da história da Colômbia. Por vezes, não dá para acreditar que uma narrativa destas tenha acontecido na realidade, houve negociações entre Escobar e o governo Colombiano inacreditáveis. As inúmeras tentativas de boicote ao processo de extraditação dos narcotraficantes para os Estados Unidos, que implicaram como retaliação por parte do cartel de Medellín a colocação de bombas num avião comercial, na sede de um jornal e outros eventos de destruição massiva, ou a tramóia com a prisão “dourada” de alto luxo (La Catedral), de 1991, que o barão da droga comprou para vender ao estado por um preço três vezes superior e onde continuava a governar o seu negócio, são apenas alguns exemplos do surrealismo dos eventos à época. A série contou com a colaboração de alguns jornalistas e familiares das vítimas e tem um vasto reportório de imagens de arquivo, principalmente na segunda parte que corresponde à segunda colecção de oito DVD’s
.







O cartel de Medellín, encabeçado por Escobar e pelos três irmãos Montoya, na realidade família Ochoa (algumas personagens receberam nomes fictícios no documento televisivo, nomeadamente a mulher de Escobar que na série se chama Patrícia) mandou matar militares, políticos, entre os quais um candidato à Presidência da República Colombiana e um ministro, o director do jornal El Espectador, juízes e tantos outros civis.

Os actores são regra geral muito bons e estão caracterizados de forma bastante curiosa gerindo com complexidade as idiossincrasias das personagens reais e fictícias. Durante o visionamento da série fui fazendo pesquisas on-line e desmontando a relação desta com a realidade. Uma das minhas personagens favoritas, o sicário Chili, reflecte bem a problemática recorrente neste género de narrativas como muito bem assinala a coluna peruana Pico TV (
aqui): “Pero me quedo con la boca abierta cuando leo en la red mensajes como “¡¡Murió el Chili, noooo!! ¡¡Chili, eres grande!! ¡¡Chile estamos contigo!! ¿Por qué mataron al Chili?”. Quéeeee. No sé si reír o llorar.

Está bien que el actor Anderson Ballesteros sea un actorazo, pero no hay que olvidar que el “Chili” fue en realidad John Jairo Arias Tascón, “Pinina”, quien llegó a ser el jefe de los sicarios de Escobar y el quinto en jerarquía en la organización. Le decían “Pinina” porque era blancón y tenía una voz delgadita, como la actriz argentina Andrea del Boca en la serie “Pinina”. Pero el colombiano era un asesino por naturaleza. A los 15 años comenzó a matar para la organización y rápidamente llegó a convertirse en reclutador de sicarios. Dicen que tenía “ojo clínico” para captar asesinos entre los adolescentes de los barrios pobres de Medellín. Fue él quien organizó el asesinato del ministro de Justicia, Rodrigo Lara Bonilla. Posteriormente se especializó en llenar de coches bomba la ciudad, desde Bogotá y Medellín, en la época en que Pablo ordenó desatar el terror indiscriminado para obligar a las autoridades a declarar la no extradición a Estados Unidos de los narcos perseguidos. “El Chili” o “Pinina” fue el responsable de la muerte de 262 civiles y 129 policías asesinados en Medellín. “ (Pico TV, Março de 2013)








Concordo com a ressalva expressa nesta coluna mas também tenho a convicção que apesar de tudo nos dias que correm os espectadores de televisão têm uma visão mais complexa da realidade e que a correspondência entre os factos e a ficção não tem repercussões tão preto no branco. O espectador pode chorar com a morte da personagem mas não faz uma correspondência entre esta e o criminoso real. Para isso existem as pesquisas e são até as várias personagens que nos levam a essas informações que desconhecíamos. O trabalho do espectador é activo e, no caso destas séries baseadas em eventos reais, complementar. A morte de Chili no ecrã ou, por exemplo, a decadência dos momentos finais de Escobar são ambivalentes e muito distantes da realidade. Nós sabemos isso. O que estamos a assistir é à morte de personagens que acompanhámos ao longo de vários episódios e a relação destas com a trama global.







As homenagens desta série aos heróis da história são evidentes, colocaram-se pequenos “videoclips” de tributo às vítimas quando estas vão morrendo (um ministro, um director de jornal, um candidato presidencial, uma jornalista, entre outros). No entanto, até esses excertos de homenagem se podem transformar num melodrama repetitivo. Quase telenovela. Sabemos que cirurgicamente estão lá a cumprir um papel eficaz na narrativa e, como espectadores, podemos desmontar a relação entre heróis e vilões. Considero que não fazemos qualquer confusão do ponto de vista racional, sabemos que Escobar foi um grande canalha, que Chili foi um assassínio. Penso, no entanto, que na actualidade o nosso papel ao interpretar a ficção é muito mais complexo. Ficamos num limbo de reflexões ambíguas, contraditórias que nos ajudam a assentar ideias. Como sugere Jesper Juul no seu último livro The Art of Failure: “we can experience several conflicting emotions at the same time, but the philosophical tradition often assumes that emotions are similar to logical statements, all of which operate on the same level and cannot contradict each other. More recent cognitive theories claim that our emotional system is more fragmented than that. Film theorist Torben Grodal argues that we are activating two parallel brain systems when watching cinema, a “global” system that understands what we are seeing as fictional and a “local” system that has more immediate emotional reactions to what is on-screen” (Juul, 2013: e-book The Art of Failure: II-14).







Não estou totalmente certa que El que no conoce su historia está condenado a repetirla” pois, infelizmente, as histórias tendem a repetir-se mesmo quando as conhecemos mas uma coisa parece-me evidente conhecer algumas narrativas nunca fez mal a ninguém. E esta é uma daquelas histórias que por tão politicamente surrealista vale mesmo a pena conhecer.
A série é “berraca, berraca”, o que na gíria colombiana quer dizer “boa” ou que sobressai de alguma forma, valente, corajosa e desmetida seriam outras possibilidades. Os actores passam o tempo a usar esta expressão a qual confundiu outras latitudes da América Latina, nomeadamente os mexicanos, chilenos e outros. Confunde-se com “verraco” que segundo investiguei no México quer dizer “cerdo”, ou seja, porco.




14 comentários:
De Fernanda a 21 de Outubro de 2014 às 03:35
Muito interessante seu post. Queria muito assistir a série completa, você comprou o DVD? Por onde assistiu?


De Mouse a 21 de Outubro de 2014 às 20:33
Olá Fernanda,

Comprei os DVDs na Cidade do México há mais de um ano. Acho que deve dar para comprar on-line mas não tenho a certeza. XXX Patrícia


De Odir a 21 de Setembro de 2015 às 17:47
Netflix


De mouse a 21 de Setembro de 2015 às 17:54
Vi a série a partir do DVD que comprei na cidade do México.


De Kleber a 9 de Outubro de 2015 às 20:01
Amigo, a séria da Netflix, não chega nem nos pés desta aqui, acredite, eu assisti as duas, e comparei e notei que Wagner Moura é bom como Capitão Nascimento, ele não precisou interpretar ninguém, ele inventou o papel e nele se deu bem, mas como Pablo Escobar, ficou ridiculo.


De alexandre a 17 de Novembro de 2014 às 13:27
Quero adquirir tambem os dvds da serie, como faço?


De mouse a 23 de Novembro de 2014 às 15:14
Penso que dá para comprar on-line.


De cabecaba a 25 de Dezembro de 2014 às 12:46
A serie está passando na Globo +sat, creio já esta no fim, mas se tiver TV por assinatura você consegue assistir toda.


De luciano a 13 de Outubro de 2015 às 19:39
Nota 10 para este seriado da CARACOL, a caracterização dos personagens perfeita. Atores excelentes, agem e falam com tamanha naturalidade que deram uma verdadeira vida aos personagens. Achei muito bacana no seriado também este contraste entre a ficção e os fatos reais, mostrando imagens e videos de época. Só me custa muito acreditar, que a mãe e esposa de Pablo demorem tanto na historia a perceber que ele é o mafioso manda-chuca em todas aquele terrorismo.


De Tiagovit a 30 de Outubro de 2015 às 03:02
netflix tem disponivel essa serie Pablo escobar -patrao do mal, realmentedepois de assisti lo, Narcos nao tem menor graça


De luis a 15 de Fevereiro de 2016 às 15:12
nao se compara o patrão do mal com narcos... realmente a serie colombiana é muito superior, muito mais realista, e sem a "visão americana de salvadores do mundo" que narcos tem.
em tempo, achei a serie inteira (em espanhol e dublada em portugues, mas nao encontrei as legendas) pelo torrent


De Barbara a 16 de Agosto de 2016 às 18:16
Estou quase no final da série e ela é viciante. Não sabemos aonde é real e aonde começa a ficção.
sensacional. vc encontra no Netflix.


De Barbara a 16 de Agosto de 2016 às 18:17
é mto melhor que Narcos.


De Alchemist a 13 de Outubro de 2016 às 17:26
A série é muito boa. Ao contrário de Narcos, que conta a história do Narcotráfico no geral, El patron é uma biografia e presa por tentar contar a história da forma mais verossímil possível. Já Narcos é cheia de licenças poéticas, preenchimentos e adaptações que muitas delas, na realidade não aconteceram. Narcos tem outra linguagem, é mais cinematográfica, mais corrida, é a visão do tio sam, a visão do DEA sobre os fatos. Muita gente assistiu ou está assistindo El Patron por causa de Narcos. Por querer saber mais sobre a história de Escobar, pois foi Narcos que fez este estrondo todo, essa busca por histórias do Escobar. As duas são ótimas, mas El patron é mais completa a respeito da história de Pablo Escobar, por ser uma biografia.


Comentar post

.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

31


.posts recentes

. EM SÃO PAULO, ENTRE OS RU...

. "THE LAST OF US", AMOR, L...

. QUE SORTE PODER VOLTAR A ...

. MEXICO DF UMA CIDADE ONDE...

. A MINHA SAGA COM O CANDY ...

. QUATRO FILMES A NÃO PERDE...

. PABLO ESCOBAR, O PATRÃO D...

. A MINHA FRUSTRAÇÃO COM O ...

. "THE WALKING DEAD" (GAME)...

. NUMA JANGADA DE POVOS IBÉ...

.arquivos

. Março 2014

. Dezembro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Maio 2012

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

.tags

. apostas

. arte e design

. artes e design

. cibercultura

. ciberfeminismo

. cibermemórias

. cinema

. colaborações

. divulgação

. enigmas

. entrevista

. exposições

. festas

. game art

. game art exposições

. gamers

. iconografias

. indústria de jogos

. interfaces

. jogos e violência

. livros sobre jogos

. mouse conf.

. mouse no obvious

. mouseland

. myspace

. pop_playlist_game

. portfólios

. script

. segredos

. séries tv

. teatro

. textos

. viagens

. viagens cinema

. todas as tags

.links
.participar

. participe neste blog

.MOUSELAND _ PATRÍCIA GOUVEIA
ARTES E JOGOS _ DIGITAIS E ANALÓGICOS
blogs SAPO
.subscrever feeds