Terça-feira, 20 de Agosto de 2013
A MINHA SAGA COM O CANDY CRUSH





No início de Julho o alergologista/imunologista em Lisboa aconselhou-me a não tocar em doces por razões alérgicas. Felizmente nunca fui muito gulosa, nem sou grande apreciadora de guloseimas, sempre preferi salgados. No entanto, a sugestão, não sei bem porquê, deve ter sido determinante na minha curiosidade em experimentar a saga Candy Crush (King, 2012). Até aí não tinha tido qualquer interesse e visualmente o jogo parecia-me tão parvinho que não me suscitava grande curiosidade. É claro que a advertência do médico me deu um maior apetite por reais delicadezas de açúcar e afins mas consigo controlar-me bastante bem. Se fosse ingénua poderia acreditar que a simulação virtual, com a sua destruição de guloseimas em cadeia, poderia substituir qualquer abertura à tentação real. Mas as coisas não se passam assim. No entanto, a satisfação de uma possível vingança dos doces reais por via do jogo digital deu-me alento.





Ora, em Julho coloquei o Candy Crush no meu IPAD. Hoje sei que o sucesso desta saga, que ultrapassou o Farmville como o jogo mais jogado em facebook, um típico jogo de combinações de três peças do tipo Bejeweled, não é um acaso. A mecânica deste dispositivo é do mais aditivo que existe e, sim, o jogo é parvinho no conceito mas tem uma jogabilidade bastante bem concebida. A ideia resume-se ao cúmulo da infantilidade, algo como andar a fazer explodir bombas doces em séries de três ou mais elementos, atirar doces em cima de outros doces, libertar doçaria enjaulada e “matar” chocolates intrusivos. A mecânica é curiosa pois dá-nos cinco vidas de uma vez e depois de trinta em trinta minutos outra nova vida. Cada nível tem uma dificuldade distinta e o jogador deve perceber a mecânica de destruição de guloseimas para assim conseguir libertar o nível seguinte. Algumas etapas são bastante fáceis o que dá ao jogador uma boa noção de progresso. Outras são bastante chatinhas e quase desesperantes mas a progressão é harmoniosa. Em alguns níveis, o que corresponde à transição nos diversos mapas do tabuleiro de jogo digital (candy town ou factory, chocolate mountains, lemonade lake, minty meadow, entre outros mundos), temos três “quests” obrigatórios para fazer e, se acabarmos um deles, só vinte e quatro horas depois é que podemos continuar o seguinte e, depois, sucessivamente até completarmos os três. E isto foi assim para mim até ter descoberto, por acaso, que se alterasse a data e a hora no meu IPAD tinha as vidas que quisesse no jogo. Um acto puro de batotice que me permitiu avançar na hierarquia do mundo dos doces muito mais depressa. Depois deste achado o prazer que tinha ao jogar foi-se diluindo pois aqueles intervalos eram fundamentais para descontrair entre jogos. O que perdi, quando optei por “alterar as regras” de jogo, foi o próprio prazer lúdico.






Estou no nível setenta e nove e um bocado farta de jogar àquilo mas a verdade é que compreendi a subtileza de uma jogabilidade que deixa viciados tantos jogadores digitais. A Saga Candy Crush é um joguito bastante “descartável” mas passam-se uns momentos divertidos com aquilo a explorar as diversas possibilidades explosivas. O jogador deve compreender como associar composições de doces que geram super doces e como manipular esses cruzamentos entre guloseimas de várias cores, que despoletam bombas animadas, de forma a destruir diversas barreiras horizontais e verticais. O grafismo desta saga está bem feito. Esta “candimania”, dentro do estilo casual, acaba por ter a sua piada e consegui controlar duas coisas (para lá da privação aos doces reais), ou seja, não comprar uma única vida on-line nem pedir vidas on-line aos meus amigos do facebook. Se tivesse sucumbido à tentação de o fazer teria achado muito humilhante. Candy Crush foi considerado o "Best Social Game" na 9th International Mobile Gaming Awards.







3 comentários:
De tmvt a 2 de Fevereiro de 2014 às 15:38
Escolhendo acreditar que a autora não teria conhecimento do rumo hipócrita que a King tem percorrido desde a sua génese (i.e. plágios obscenos e bullying ás pequenas empresas através do apropriamento de palavras comuns como 'Candy'), não deixa de ser uma imagem caricata e infelizmente cada vez mais usual a de auto congratulação pela resistência ao monstro capitalista -- á "humilhação" -- ao mesmo tempo que se aprecia tal software num produto da Apple.


De patgouveia-visit a 2 de Fevereiro de 2014 às 15:45
A "autora" não consegue é perceber o que é que se quer dizer com o comentário em cima escrito de uma forma tão confusa e obscura... o argumento não se entende.


De tmvt a 2 de Fevereiro de 2014 às 16:53
O que creio ter sublinhado nitidamente no comentário, é a crescente ironia contemporânea de auto condenação a um hipotético uso de transacções, traduzindo-se num cenário “muito humilhante”, quando os mesmos consumidores usufruem de um software extremamente prejudicial a este meio artístico – embora atribuo-lhe no comentário o benefício da dúvida sobre o conhecimento de tal – num produto da Apple (famoso pela sua conduta criminosa e desprezível) e, adicionando agora, com parceria com o Facebook (protagonista de condutas não menos escandalosas).



Comentar post

.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

31


.posts recentes

. EM SÃO PAULO, ENTRE OS RU...

. "THE LAST OF US", AMOR, L...

. QUE SORTE PODER VOLTAR A ...

. MEXICO DF UMA CIDADE ONDE...

. A MINHA SAGA COM O CANDY ...

. QUATRO FILMES A NÃO PERDE...

. PABLO ESCOBAR, O PATRÃO D...

. A MINHA FRUSTRAÇÃO COM O ...

. "THE WALKING DEAD" (GAME)...

. NUMA JANGADA DE POVOS IBÉ...

.arquivos

. Março 2014

. Dezembro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Maio 2012

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

.tags

. apostas

. arte e design

. artes e design

. cibercultura

. ciberfeminismo

. cibermemórias

. cinema

. colaborações

. divulgação

. enigmas

. entrevista

. exposições

. festas

. game art

. game art exposições

. gamers

. iconografias

. indústria de jogos

. interfaces

. jogos e violência

. livros sobre jogos

. mouse conf.

. mouse no obvious

. mouseland

. myspace

. pop_playlist_game

. portfólios

. script

. segredos

. séries tv

. teatro

. textos

. viagens

. viagens cinema

. todas as tags

.links
.participar

. participe neste blog

.MOUSELAND _ PATRÍCIA GOUVEIA
ARTES E JOGOS _ DIGITAIS E ANALÓGICOS
blogs SAPO
.subscrever feeds