Quinta-feira, 1 de Fevereiro de 2007
O ADMIRÁVEL MUNDO DA NINTENDO
mario1.jpg

Com a saída da Wii, a nova consola da Nintendo, e enquanto usufruo desta inovação, dediquei-me à leitura de dois livros que tratam especificamente o caso dos jogos e consolas produzido(a)s por esta marca nipónica.

A história do império Nintendo é descrita no livro de David Jheff, Game Over, How Nintendo Conquered the World, editado em 1994 pela Vintage Books. O autor dá um panorama global das guerras económicas à volta da indústria de videojogos: Atari e Sega versus Nintendo são alguns dos casos expostos. A criação da personagem Mário pelo artista japonês Shigeru Myamoto e o licenciamento do Tetris, jogo concebido pelo matemático russo Alexey Pajitnov, são dois casos que permitem ao autor afirmar: “os videojogos que venderam mais hardware no passado não foram inventados por engenheiros nos laboratórios de investigação e desenvolvimento das grandes companhias. O “Tetris” foi criado por um matemático e o “Super Mário Bros.” por um artista” (Sheff, 1994: 432). Os jogos de bastidores que permitiram à Nintendo impor a sua marca nos Estados Unidos (e posteriormente na Europa) depois do grande crash de 1983 que levou a Atari à falência e o seu mentor, Nolan Bushnell, ao desespero, são contados de uma forma leve, muito bem escrita e cheia de detalhes e pormenores descritivos do ambiente da época. O autor remete-nos para a década de setenta, oitenta e início de noventa em mais de quatrocentas páginas vibrantes. São ainda narrados os primórdios da marca Nintendo antes desta ser transformada por Hiroshi Yamauchi numa companhia de videojogos e era apenas uma pequena empresa de cartas hanafuda. Um livro que se devora e que dá uma ideia bastante boa da indústria de jogos electrónicos e das guerras entre o mercado asiático e o americano na implementação do sector.

Um outro livro de Eugene F. Provenzo Jr., Vídeo Kids, Making Sense of Nintendo, editado em 1991 pela Harvard University Press, é interessante embora nalguns casos, quanto a mim, datado nomeadamente na questão das assunções que faz sobre o problema da violência e do género nos videojogos. Hoje estes factores são contestáveis através de opiniões mais recentes. Para o autor, os videojogos promovem a amplificação de estereótipos e de certos valores (o tema da mulher como vitima, por exemplo). No início dos anos noventa a crítica era inteiramente pertinente hoje as coisas são bastante mais complexas pois as estruturas lúdicas apresentam nomenclaturas mistas e de caracterização menos evidente em matéria de temas e géneros. Provenzo, é bastante claro ao mostrar como a Nintendo foi eficaz na ligação dos videojogos não apenas aos media tradicionais como também à adopção de temas historicamente relevantes (duck tales e histórias relacionadas com os contos tradicionais). Ao ligar a tradição simbólica à cultura popular a marca japonesa conseguiu ser um produto viável comercialmente e estender-se tentacularmente por um inúmero conjunto de produtos (revistas, cereais, restaurantes, etc.). Videojogos como o Super Mário Bros. 2 são interpretados como meios através dos quais os jogadores entram em novas formas de diálogo electrónico e literacia (Provenzo, 1991: 48). Neste contexto, afirma-se que, segundo Jacklin Kiesler, a essência da literacia computacional é o pensamento processual sendo que a programação computacional se relaciona com o seguimento de uma receita ou padrão (Provenzo, 1991: 62). Os videojogos, diz-nos Provenzo inspirado em McLuhan, representam uma extensão dos indivíduos ou dos grupos. Como qualquer medium de informação: “o seu efeito no grupo ou no indivíduo é uma reconfiguração das partes do grupo ou do indivíduo que não estão tão estendidas. Uma obra de arte não tem existência ou função para lá dos “seus efeitos” nos observadores humanos. A arte, como os jogos, a arte popular e outros meios de comunicação tem o poder de impor as suas próprias assunções ao oferecer à comunidade humana novas relações e posturas” (Provenzo, 1991: 73). Assim, os jogos electrónicos são textos culturais cujos significados estão abertos à interpretação. Esta ideia, do jogo electrónico como texto é recentemente retomada por Mia Consalvo e Nathan Dutton em “Game analysis: Developing a methodological toolkit for the qualitative study of games”. Para Provenzo: “os videojogos não preenchem o que Baudelaire definiu como o desejo da maioria das crianças: “possuir e ver a alma dos seus brinquedos”. Baudelaire faz a pergunta: onde está a “alma do brinquedo?” Nós devemos colocar-nos a mesma questão sobre os videojogos: onde é que está a alma da Nintendo?" (Provenzo, 1991: 98).

Duas leituras estimulantes!


De André Carita a 5 de Fevereiro de 2007 às 00:45
mouse :smile:

eu preferia que fizesses um post com a tua lista! e aproveito para propôr o mesmo aos restantes colaboradores do mouseland! :smile:

xxx andré carita
http://pensarvideojogos.blogspot.com


Comentar:
De
Nome

Email

Url

Guardar Dados?



Email

Password



Comentário

Máximo de 4300 caracteres




.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

31


.posts recentes

. EM SÃO PAULO, ENTRE OS RU...

. "THE LAST OF US", AMOR, L...

. QUE SORTE PODER VOLTAR A ...

. MEXICO DF UMA CIDADE ONDE...

. A MINHA SAGA COM O CANDY ...

. QUATRO FILMES A NÃO PERDE...

. PABLO ESCOBAR, O PATRÃO D...

. A MINHA FRUSTRAÇÃO COM O ...

. "THE WALKING DEAD" (GAME)...

. NUMA JANGADA DE POVOS IBÉ...

.arquivos

. Março 2014

. Dezembro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Maio 2012

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

.tags

. apostas

. arte e design

. artes e design

. cibercultura

. ciberfeminismo

. cibermemórias

. cinema

. colaborações

. divulgação

. enigmas

. entrevista

. exposições

. festas

. game art

. game art exposições

. gamers

. iconografias

. indústria de jogos

. interfaces

. jogos e violência

. livros sobre jogos

. mouse conf.

. mouse no obvious

. mouseland

. myspace

. pop_playlist_game

. portfólios

. script

. segredos

. séries tv

. teatro

. textos

. viagens

. viagens cinema

. todas as tags

.links
.participar

. participe neste blog

.MOUSELAND _ PATRÍCIA GOUVEIA
ARTES E JOGOS _ DIGITAIS E ANALÓGICOS
blogs SAPO
.subscrever feeds