Terça-feira, 10 de Abril de 2007
“UNIT OPERATIONS”_IAN BOGOST_MIT 2006_UMA VIAGEM À SIMULAÇÃO
unitoperations.jpg

unitoperations1.jpg

O livro de Ian Bogost, Unit Operations, An Approach to Videogame Criticism, editado pelo MIT, é uma tentativa para explorar a natureza das relações entre computação, literatura e filosofia a partir de estudos comparativos. O criticismo processual comparativo subentende que qualquer medium poético, literário, cibernético ou computacional pode ser lido como um sistema configurativo “arranjado” através de unidades operacionais expressivas. A ideia é desvendar o sistema da simulação através de uma comparação operativa com o sistema biológico em que as unidades operacionais surgem em paralelo com as células humanas. Assim, “a mudança dos genes como sistemas reguladores totais a genes como actores funcionais numa alargada peça intergenética marca a mudança do sistema de operações para unidades operacionais sendo estas unidades operacionais sucintas, discretas, referenciais e dinâmicas” (Bogost, 2006: 4). Tal como a biologia pós genoma (2000) transformou a genética num processo de combinação de genes também as unidades criativas são lidas à luz da sua significação processual. Para Bogost, o projecto do genoma humano não está interessado na complexidade da vida humana mas antes na sua radical simplificação (Bogost, 2006: 44). Este projecto, reduzia o gene à sua estrutura (o que é em vez do que faz e como interage) sendo o conhecimento desta considerado a chave para a compreensão da função biológica (Bogost, 2006: 145). Como a maioria dos cientistas da Vida Artificial, na senda de Langton, o que está em causa não é a vida-como-ela-é mas como-poderia_ser e o que interessa é a função interligada das diversas unidades. O livro é uma viagem aos últimos dez anos de produção crítica sobre novas tecnologias e videojogos e tem como fito a aproximação entre as disciplinas das humanidades – cinema, literatura, arte, música, dança, filosofia e criticismo – com a informática – computação, biologia, medicina, química, ecologia, ciência cognitiva e psicologia - para a partir dai propor um modelo de estudo interdisciplinar e rico.

O autor adopta as quatro propriedades essenciais dos ambientes digitais de Janet Murray, a saber, processualidade, participação, espacialização e enciclopedismo para desenvolver uma análise da prática geral crítica associada aos jogos electrónicos através da descoberta e da exposição de unidades operacionais que trabalham nos textos “fonte” (source texts) da simulação. Neste contexto, a processualidade relaciona-se com a eficiência especial do computador para formalizar a configuração e o comportamento de vários elementos de representação, ou seja, potencia a transferência de comportamentos específicos do mundo real nas representações programadas (Bogost, 2006: 13-15). A erudição de Ian Bogost remete o texto para uma extrema intertextualidade, isto é, torna-se de facto necessário estar a par da vasta produção teórica dos game studies para se acompanhar o fluir do discurso e é claramente um documento de estudos avançados na área. O início do livro leva-nos até Heidegger, Leibniz e Spinoza e torna-se, por vezes, vítima do que crítica, ou seja, excesso de jargão nos discurso actuais sobre tecnologias lúdicas. No entanto, esta primeira impressão é colmatada por uma vasta desmontagem crítica de nomes sonantes dos actuais new media studies como Lev Manovich, Friedrich Kittler, N. Katherine Hayles, entre outros (Bogost, 2006: 27-29).

O autor adopta as considerações de Gonzalo Frasca sobre representação versus simulação para aprofundar e criticar a escola formalista de Espen Aarseth e Jesper Juul. De acordo com Bogost, os autores nórdicos têm visões funcionalistas e materialistas que sacrificam aspectos mais expressivos do medium. Assim, sem depreciar as questões funcionais sobre videojogos (o que são e como funcionam?) considera-se importante debater outras questões: o que fazem? O que acontece quando os jogadores interagem com eles? E como se relacionam, participam, estendem e reflectem a expressão cultural que trabalha em outro tipo de artefactos? (Bogost, 2006: 53-54). Segundo Bogost, Gonzalo Frasca sugere o termo narrativismo (ou narração) em oposição a narratologia pois este termo dá melhor conta de uma narrativa sobre a simulação em curso como output configurativo do trabalho digital (Bogost, 2006: 69). Afirma Bogost: “Nós devemos avaliar todos os textos como sistemas configurativos construídos através de unidades expressivas. Isto significa treinarmo-nos a nós próprios não apenas para compreender as simulações como interpretações do mundo, como Janet Murray sugere, mas também para compreender os textos narrativos como simulações" (Bogost, 2006: 71). Este modelo admite que os videojogos, como qualquer outra arte, têm o poder para influenciar e mudar a experiência humana (Bogost, 2006: 89). Neste contexto, considera-se que uma simulação é uma representação de um sistema fonte através de um sistema menos complexo que formata a compreensão do participante acerca do sistema fonte de forma subjectiva. A simulação tem como único propósito formatar a opinião do observador em relação ao conhecimento que este tem sobre o sistema real sendo a relação ou loop de feedback entre o jogo de simulação e o seu jogador uma relação mediada por um conjunto de valores. Nenhuma simulação escapa ao contexto ideológico e a forma sintética (síntese) que esta apresenta está imersa pela subjectividade da experiência. Os videojogos requerem uma interpretação crítica que faça a moderação entre a nossa experiência da simulação e o conjunto de valores coerentes e expressivos, respostas ou entendimentos, que constituem os efeitos do trabalho (Bogost, 2006: 98-99).

Bogost cita Ted Friedman que considera que as simulações “podem ser as nossas melhores oportunidades para criar o que Frederic Jameson chamou “uma estética do mapeamento cognitivo: uma cultura politica pedagógica que procura fornecer ao sujeito individual um sentido do seu lugar no sistema global”. Jogar uma simulação significa participar numa lógica sistémica que conecta uma miríade de causas e efeitos” (Bogost, 2006: 102). Para Bogost, existe um preconceito em relação à simulação e aos jogos evidente quando se consideram as simulações por computador como representações objectivas, por exemplo do tráfego ou do corpo humano, e os jogos como simulações subjectivas. O erro, de acordo com Bogost, com o qual concordamos inteiramente, reside precisamente na ideia da possibilidade de uma representação objectiva, não existem representações objectivas pois todas as representações estão formatadas pela subjectividade. A simulação objectiva é um mito porque os jogos não prescindem da bagagem da ideologia (Bogost, 2006: 135). Os videojogos participam na guerra entre a intenção autoral e a liberdade interpretativa e necessitam que os jogadores sejam capazes de fazer uma síntese palpável a partir da sua própria experiência (Bogost, 2006: 122-23). Advoga-se que explorar a manifestação das regras de jogo na experiência do jogador é talvez o mais importante tipo de trabalho que a crítica sobre jogos pode fazer (Bogost, 2006: 131).

No meio deste caldeirão de ideias bem articuladas mas que requerem um trabalho árduo por parte do leitor (já Roland Barthes dizia que o prazer da leitura reside por vezes na sua própria dificuldade) o livro de Ian Bogost remete-nos para a poesia de Charles Baudelaire (“A Une Passante”), de Charles Bukowski (“A Woman on the street”) e para o filme Amélie de Jean-Pierre Jeunet, entre outros, e é, quanto a nós, um imprescindível título nos estudos avançados sobre videojogos.




6 comentários:
De nelson zagalo a 10 de Abril de 2007 às 10:58
Olá Patricia, obrigado pela excelente review do livro.

“Para Bogost, o projecto do genoma humano não está interessado na complexidade da vida humana mas antes na sua radical simplificação (Bogost, 2006: 44)”

Não seria de esperar outra coisa. Mau seria que o objectivo fosse a compreensão da vida humana. Uma atitude puramente cientifica não se compadece com esse tipo de análise. Daí tanto burburinho com o Intelligent Design, sobre o qual espero fazer um artigo em breve para o meu blog.

“O autor adopta as quatro propriedades essenciais dos ambientes digitais de Janet Murray, a saber, processualidade, participação, espacialização e enciclopedismo”

Sem dúvida que a Janet tem nesta obra um dos melhores trabalhos feitos até hoje sobre as narrativas interactivas, contudo e como seria de esperar a sua categorização não é propriamente muito útil na análise dos ambientes virtuais, tal como a anterior realizada pela Brenda Laurel. É um objecto muito complexo e ainda estamos a aprender a analisá-lo, uma vez que ele ainda não está também completamente definido.


“De acordo com Bogost, os autores nórdicos têm visões funcionalistas e materialistas que sacrificam aspectos mais expressivos do medium.”

Sem qualquer dúvida. A escola escandinava é interessante, mas deve ser-lhe dado a mesma relevância que se deu à narratologia de Barthes. Vamos ver para onde os nórdicos vão evoluir, mas tenho poucas duvidas que poderão continuar muito mais tempo apenas centrados na análise estruturalista.

«Segundo Bogost, Gonzalo Frasca sugere o termo narrativismo (ou narração) em oposição a narratologia pois este termo dá melhor conta de uma narrativa sobre a simulação em curso como output configurativo do trabalho digital (Bogost, 2006: 69).»

Pois, quem apareceu com essa ideia nos game studies não sei, nos Film Studies foi o Bordwell em 1985 e é a perspectiva que uso na minha tese. Por oposição a Play, Ludologia e Narratologia, a Narrativização ou no meu termo mais específico embora neologista, Storytelling é muito mais indicado para se poder analisar uma representação visual e desse modo o é para compreender uma representação visual e interactiva. Aliás nesse sentido evoluiu o pensamento de Marie-Laure Ryan no seu último livro de 2006 “Avatars of Story” face às suas ideias anteriores espelhadas em Narrative as Virtual Reality (2001).

«“Neste contexto, considera-se que uma simulação é uma representação de um sistema fonte através de um sistema menos complexo que formata a compreensão do participante acerca do sistema fonte de forma subjectiva.”»

Sim, sem dúvida. Tal como Stephen Prince já afirmou em 96, o 3d no cinema cria uma espécie de “realismo perceptual” condicionado pelas convenções audiovisuais pré-existentes entre os autores e os seus espectadores.

«Bogost cita Ted Friedman que considera que as simulações “podem ser as nossas melhores oportunidades para criar o que Frederic Jameson chamou “uma estética do mapeamento cognitivo: uma cultura politica pedagógica que procura fornecer ao sujeito individual um sentido do seu lugar no sistema global”. »

Esta perspectiva pós-moderna é que já não combina com a minha forma de ver o mundo. Apesar de ter partido inicialmente desta abordagem, não vejo o mundo como um sistema fragmentado e "céptico" na sua relação com as "metanarrativas". A prova disso é o que discutíamos num post teu anterior sobre a web 2.0 e a sua influência no desenvolvimento de novos discursos de massas, de novas perspectivas de fluxo informativo que congregam as pessoas em objectivos lineares partilhados.

«“Advoga-se que explorar a manifestação das regras de jogo na experiência do jogador é talvez o mais importante tipo de trabalho que a crítica sobre jogos pode fazer (Bogost, 2006: 131). “»:wink:

100% de acordo :wink:

Gostei muito deste teu trabalho de análise do livro, e tenho a dizer-te que pelo que aqui li, o livro vale a pena. De qualquer forma, não sei ainda até que ponto não faltará algo de mais incisivo que vá além disto (pelo menos do que aqui colocaste). Para quem quiser começar por estudar os videojogos sem partir de outras artes, nomeadamente artes de representação visual, julgo que o livro tem muito a oferecer e permite uma entrada bem estruturada e alargada sobre o corpo teórico dos jogos. Contudo e no que me interessava a mim era a entrada neste ultimo ponto, a exploração da manifestação das regras na experiência. Algo que se torna bem mais complexo de analisar do que a compreensão do fenómeno da simulação, uma vez que aqui estamos já no terreno altamente movediço da interactividade. Mas pronto, julgo que o livro deve ser encarado como uma introdução, ainda que pelo que percebi exigente, ao mundo da teoria dos videojogos e novos media.


De mouseland a 10 de Abril de 2007 às 14:57
Olá Nelson,

Obrigado pelo comment ao post e ainda bem que serviu para te demover um pouco da má impressão deixada pela EDGE a respeito deste livro. Gostei das tuas considerações. Por vezes os comentadores não têm a humildade para perceber que podem não estar bem equipados para compreender determinadas coisas e que só o tempo ajuda a esclarecer e amadurecer ideias. Cada vez mais tenho a sensação que todos os autores contribuem um pouco para desvendar o "grande mistério" digital. Cada qual acrescenta mais um bocadinho e ajuda a tecer a teia, nenhum mais do que outro mas todos à sua maneira, com as suas referências e pensamentos formados por esta ou por aquela escola. Neste caso concreto Bogost acaba por reabilitar Janet Murray e Gonzalo Frasca, a primeira de uma tentativa de desqualificação constante por parte da escola nórdica (o que só torna evidente a sua força, hehehe), o segundo porque afirmou cedo de mais e sem total clarificação teórica (intuição?) coisas que ainda hoje são difíceis de compreender (foi um autor corajoso a analisar o problema da simulação).

Nessa tentativa Bogost ganhou em estratégia e claramente tem alguma razão e sentido crítico qb nos argumentos que apresenta. Quanto a mim não há uma solução mas um conjunto de argumentos válidos que tecem a análise dos "textos" digitais. Daí que a questão da intertextualidade ganhe novo relevo. De acordo com os estudos comparativos para a análise de cada texto é necessário adoptar diferentes perspectivas e pontos de vista.

xxx mouse


De Anónimo a 4 de Setembro de 2008 às 01:58


De Ian Bogost a 9 de Fevereiro de 2009 às 04:28
Unit Operations

An Approach to Videogame Criticism


De mouseland a 18 de Fevereiro de 2009 às 23:05
:mrgreen::mrgreen::mrgreen: Obrigado :oops:! xxx mouse


De Création site internet bretagne a 26 de Abril de 2010 às 03:38
Création site internet bretagne

Merci pour cet article intéressant. Bien à vous….


Comentar post

.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

31


.posts recentes

. EM SÃO PAULO, ENTRE OS RU...

. "THE LAST OF US", AMOR, L...

. QUE SORTE PODER VOLTAR A ...

. MEXICO DF UMA CIDADE ONDE...

. A MINHA SAGA COM O CANDY ...

. QUATRO FILMES A NÃO PERDE...

. PABLO ESCOBAR, O PATRÃO D...

. A MINHA FRUSTRAÇÃO COM O ...

. "THE WALKING DEAD" (GAME)...

. NUMA JANGADA DE POVOS IBÉ...

.arquivos

. Março 2014

. Dezembro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Maio 2012

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

.tags

. apostas

. arte e design

. artes e design

. cibercultura

. ciberfeminismo

. cibermemórias

. cinema

. colaborações

. divulgação

. enigmas

. entrevista

. exposições

. festas

. game art

. game art exposições

. gamers

. iconografias

. indústria de jogos

. interfaces

. jogos e violência

. livros sobre jogos

. mouse conf.

. mouse no obvious

. mouseland

. myspace

. pop_playlist_game

. portfólios

. script

. segredos

. séries tv

. teatro

. textos

. viagens

. viagens cinema

. todas as tags

.links
.participar

. participe neste blog

.MOUSELAND _ PATRÍCIA GOUVEIA
ARTES E JOGOS _ DIGITAIS E ANALÓGICOS
blogs SAPO
.subscrever feeds