Quinta-feira, 24 de Maio de 2007
COLÓQUIO “TENDÊNCIAS DO ENTRETENIMENTO”_AVEIRO_22.05.07
tendenciasentretenimento.jpg

O colóquio “Tendências do Entretenimento” que teve lugar na Universidade de Aveiro no dia 22 de Maio foi um espaço interessante de apresentação e debate de inúmeros projectos de investigação na área dos media interactivos. Foram apresentadas sugestões de objectos que podem vir a mudar o rumo do entretenimento e ainda uma aliciante mostra da habitação do futuro. O evento foi bastante bem organizado e nesse sentido gostava de felicitar a empresa Destaforma pela organização do mesmo e realçar a presença do moderador, Ivan Franco, artista digital e actualmente director de computação interactiva na Ydreams, pelo trabalho de síntese e acompanhamento crítico dos oradores.

O painel da manhã começou com a minha comunicação, “Objectos Interactivos que Contam Histórias Inteligentes”, a proposta de um modelo de gamedesign emergente e cooperativo onde a estrutura regrada do jogo encontra a matriz desordenada da brincadeira. A arte da jogabilidade híbrida destes sistemas tem em consideração diferentes formas de apropriação espacio-temporais e experiências de recepção. Seguiu-se, “A Indústria Portuguesa dos Vídeo Jogos”, comunicação proferida por Nelson Calvinho, jornalista e ex-director da revista Mega Score, que apresentou alguns jogos concebidos no mercado nacional fazendo a história da indústria através de alguns aspectos críticos do estado-da-arte no território português. Para o jornalista é óbvio que existem escassos profissionais na área e que estes estão muito mal preparados em termos de gamedesign. A formação foi salientada como uma área fundamental para o desenvolvimento da indústria de jogos em Portugal e Nelson Calvinho mostrou-se chocado com os argumentos (muitas vezes cem páginas lineares) que lia de potenciais criadores. Na comunicação “Tendências dos Jogos para Dispositivos Móveis” Nélio Códices apresentou projectos lúdicos que exploram a transmediação, ou seja, narrativas transmedia que usam diversas plataformas para expandirem o seu universo. Assim, e a título de exemplo, mensagens criptadas em outdoors exteriores podem servir de pistas para a execução de jogos para dispositivos móveis. Foram apresentadas inúmeras demos e exemplos de jogos inovadores do ponto de vista do gamedesign (Spore e Home, entre muitos outros). Debate e pausa para café.

spore1.jpg

spore2.jpg

spore.jpg

playstationhome.jpg

playstationhome2.jpg

playstationhome1.jpg

A comunicação de Nelson Zagalo, “Reprodução de Emoções em Personagens Virtuais”, foi bastante estimulante na medida em que abre pistas não apenas para uma investigação à volta da criação de avatares e NPC’s (personagens com as quais não podemos interagir) que expressem emoções como também introduziu a temática da narrativa no cinema e nos jogos e deixou em aberto um debate sobre a necessidade de reproduzir o toque em ambientes digitais. Fiquei bastante interessada em ler o doutoramento do investigador da Universidade do Minho sobre esta temática! Ana Paiva, do Instituto Superior Técnico e investigadora do Inesc na área dos agentes inteligentes, apresentou “Narrativa Interactiva Digital”, uma viagem à volta da interacção com interfaces tangíveis, isto é, objectos físicos (por exemplo, um boneco de trapos) que permitem uma manipulação directa da personagem digital. Conforme o participante controla os movimentos do boneco físico a representação digital responde em tempo-real no ecrã. Este projecto-piloto será testado em escolas inglesas e alemãs brevemente. “O Som em Ambiente Digital” foi apresentado por Álvaro Barbosa da Escola das Artes da Universidade Católica do Porto. O orador mostrou diversos projectos de manipulação e configuração de som como a combo vox que transforma, por exemplo, vozes de crianças em adultos, a React Table de Sergi Jordá, uma interface tangível que reage aos movimentos performativos do manipulador. Finalmente, Álvaro Barbosa apresentou o seu projecto, Public Sound Objects, em Setembro disponível ao público na Casa da Música do Porto, um instrumento acústico de escrita musical colaborativa, um espaço partilhado de composição sonora a descobrir. Almoço.

psoontheweb.jpg

Na parte da tarde Paulo Dias da Universidade de Aveiro falou de “Estudos sobre a Usabilidade em Ambientes Virtuais” apresentando algumas experiências de realidade aumentada e mista no contexto do espaço e do tempo real/virtual. O investigador aplicou inúmeros gadgets de realidade virtual como os óculos HMD (head mounted display) acoplados a câmaras de filmar que reproduzem os movimentos do “interactor” para assim explorar a relação das pessoas com estes dispositivos através de testes de usabilidade. Foram mostradas algumas experiências feitas no campus da universidade de Aveiro (passeios virtuais em 3D na biblioteca, por exemplo) que reflectem pesquisas antigas inspiradas no Magic Book do laboratório japonês, ATR Media Integration & Communications Research Laboratories. Seguiu-se a comunicação “Implicações da Implementação da Televisão de Alta Definição em Portugal” de António Navarro. Aqui foram explicitadas algumas particularidades da televisão de alta definição e aplicações possíveis no contexto de serviços futuros. Em “Experiências Interactivas para o Futuro” Célia Soares apresentou algumas pistas a ter em consideração nos ambientes lúdicos imersivos do futuro partindo de experiências como o Second Life, o Active Worlds, entre outras. O debate introduziu algumas questões interessantes nomeadamente a demasiada especialização configurativa que a domótica e a engenharia pedem que o manipulador das interfaces da actualidade domine. Neste contexto, fez-se uma crítica bastante dura em relação aos discursos pouco comunicativos provenientes das engenharias onde as interfaces são demasiado complexas e pouco intuitivas, “feitas por engenheiros para engenheiros” e muito afastadas do consumidor final. A excessiva “tecnicidade” e a incapacidade da percepção humana acompanhar a hiper-realidade da imagem foi questionada pelo moderador do debate, Ivan Franco.

activeworlds.jpg

activeworlds1.jpg

activeworlds2.jpg

activeworlds3.jpg

O colóquio avançou para a estimulante comunicação de Ana Isabel Veloso sobre “TecLudi: Um Exemplo de Participação Activa das Crianças na Construção de Artefactos Lúdicos Digitais”. A investigadora criou um grupo de trabalho infantil onde se reflectiu de forma muito pragmática sobre a capacidade das crianças construírem os seus próprios jogos. Assim, concluiu-se que as crianças não só são capazes de o fazer como também preferem as representações gráficas por si criadas em detrimento do trabalho de concepção gráfica feito por profissionais da área. Experiências idênticas foram efectuadas nos EUA por Yasmin B. Kafai que separou rapazes e raparigas em grupos de trabalho para tentar perceber diferenças de género, ou seja, porque as raparigas desenham espaços diferentes dos rapazes. O projecto de Ana Isabel Veloso é curioso e mostra como a universidade pode ter um papel importante na definição de discursos renovados sobre a educação e a criação em colaboração. A “cereja em cima do bolo” chegou com a intervenção de Jorge Carvalho Alves sobre o projecto “InovaDomus”, ou seja, o projecto da casa do futuro. A casa que a assistência possivelmente julgava mais um exemplo aplicado de domótica revelou-se um espaço de arquitectura configurável, isto é, a partir de módulos de 120 metros quadrados podemos construir um duplex, moldar a casa para esta dar lugar a um salão de festas, etc. As janelas e as paredes podem mudar de sítio assim como as casas de banho, o aquecimento e a iluminação se adaptam às pessoas. Mais do que um conjunto de funcionalidades técnicas a casa é inteligente no sentido da biologia, como adaptação e intuição, um lugar que vai ao encontro do morador e não o contrário. Um lugar que não obriga à leitura infindável de manuais de utilização mas que se usa de forma fácil e confortável. Uma surpresa a que toda a gente reagiu no auditório da Universidade de Aveiro e o projecto “InovaDomus” está certamente de parabéns pela capacidade de questionar clichés recorrentes.

O colóquio encerrou com a síntese do moderador, Ivan Franco, que salientou a necessidade da tecnologia ser mais amigável com o consumidor, a possibilidade dos enredos e arquitecturas lúdicas serem melhor construídas em Portugal e, finalmente, a sugestão de uma segunda edição do evento. A audiência foi bastante participativa mostrando um interesse evidente por parte do público sobre estas temáticas.

A minha viagem para Lisboa foi divertida e houve muita matéria de discussão durante o percurso pois regra geral as apresentações foram acima da média e os participantes estavam satisfeitos por ver a Universidade receber e fomentar a discussão à volta do que se pode desenvolver de forma multidisciplinar. As comunicações foram muito variadas e isso permitiu perceber um estado geral das tendências a adoptar. Foi um prazer!


8 comentários:
De nzagalo a 25 de Maio de 2007 às 10:42
É verdade. Apesar de conhecer a maioria dos intervenientes houve espaço para aprender coisas novas e colocar-nos a pensar. Foi muito positivo, alias posso mesmo dizer que foi mais positivo do que outras conferências de foco exclusivamente cientifico em que tenho participado.

E que venha a segunda edição :)


De mouseland a 25 de Maio de 2007 às 13:41
:mrgreen::mrgreen::mrgreen: hello NZ,

Segunda edição aguarda-se!

xxx mouse


De Pedro Ângelo a 25 de Maio de 2007 às 22:00
Olá

Foi uma conferência bastante interessante.

Como seguidor atento da mouselândia, tive imensa pena de só poder ter assistido ao final da tua apresentação. O pouco que vi deixou-me bastante interessado. Não haverá aí uns slides perdidos algures? :)

cheers
p.


De tipografia a 26 de Maio de 2007 às 01:34
:lol:

mouse, falas dos outros (e muito bem)... e, a tua comunicação “Objectos Interactivos que Contam Histórias Inteligentes”???
estou ansiosa, para conhecer mais... para quando???
:mrgreen:


De mouseland a 26 de Maio de 2007 às 14:55
Olá Pedro Ângelo, :mrgreen::mrgreen::mrgreen::lol:

Obrigada. Gosto sempre de saber quem vem aqui espreitar à mouselândia com frequência, afinal é isso que me ajuda a continuar, hehehe, os mapas de tráfego são demasiado abstractos mas já um bom indicador das visitas. Mas acima de tudo gosto de saber quem são as pessoas que se interessam por estas matérias de forma mais qualitativa.

Prometo que depois de discutir a tese publico on-line os powerpoints que tenho feito das apresentações mas até lá e para me proteger para já da discussão que podem gerar fui aconselhada a não o fazer. Está para breve e o Blog é já um primeiro contacto com essas investigações, assim como as apresentações presenciais.

xxx mouse

Hello Typo,
Acho que terei que fazer uma apresentação em Lisboa mas não agora! Ufa..! Que isto cansa tanta conversa em público, hehehe.

xxx mouse


De Pedro Ângelo a 26 de Maio de 2007 às 23:27
hello mouse

Desejo-te a maior sorte com a discussão da tese. Fico à espera de poder ler as crónicas das tuas viagens pelo mundo dos jogos.

peace
p.


De tipografia a 27 de Maio de 2007 às 02:03
..."parte uma perna":lol:

ttttt


De mouseland a 27 de Maio de 2007 às 19:49
:mrgreen::mrgreen: Thanks!

xxx mouse


Comentar post

.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

31


.posts recentes

. EM SÃO PAULO, ENTRE OS RU...

. "THE LAST OF US", AMOR, L...

. QUE SORTE PODER VOLTAR A ...

. MEXICO DF UMA CIDADE ONDE...

. A MINHA SAGA COM O CANDY ...

. QUATRO FILMES A NÃO PERDE...

. PABLO ESCOBAR, O PATRÃO D...

. A MINHA FRUSTRAÇÃO COM O ...

. "THE WALKING DEAD" (GAME)...

. NUMA JANGADA DE POVOS IBÉ...

.arquivos

. Março 2014

. Dezembro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Maio 2012

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

.tags

. apostas

. arte e design

. artes e design

. cibercultura

. ciberfeminismo

. cibermemórias

. cinema

. colaborações

. divulgação

. enigmas

. entrevista

. exposições

. festas

. game art

. game art exposições

. gamers

. iconografias

. indústria de jogos

. interfaces

. jogos e violência

. livros sobre jogos

. mouse conf.

. mouse no obvious

. mouseland

. myspace

. pop_playlist_game

. portfólios

. script

. segredos

. séries tv

. teatro

. textos

. viagens

. viagens cinema

. todas as tags

.links
.participar

. participe neste blog

.MOUSELAND _ PATRÍCIA GOUVEIA
ARTES E JOGOS _ DIGITAIS E ANALÓGICOS
blogs SAPO
.subscrever feeds