Segunda-feira, 15 de Outubro de 2007
OS TUDORS_FICÇÕES HISTÓRICAS
thetudors.jpg

thetudors1.jpg

A semana passada esteve “no ar” na RTP 1 em versão condensada (dois ou três episódios diários seguidos que acabavam mais ou menos às duas horas da manhã) a série The Tudors (2007) sobre a vida do rei inglês, Henrique VIII. Apenas vi dois destes condensados (mais ou menos seis episódios) mas pude apreciar alguns aspectos interessantes da série, nomeadamente a transição da época cristã para a igreja anglicana, bem como a introdução de um estado parlamentar em detrimento do monárquico por via da intervenção de Thomas Cromwell. A saga, nesta primeira temporada, conta a história das aventuras e desventuras amorosas do rei inglês quando casado com Catarina de Aragão, sobrinha do rei Carlos V de Espanha (o imperador), e desejoso de conseguir o divórcio para se poder deleitar nos braços de Ana Bolena (Anne Boleyn). O rei é, quando a mim, bastante irritante (Jonathan Rhys Meyers) mas não consegui perceber se é porque o actor parece mesmo saído de um filme como a Missão Impossível III (onde por acaso entra), o que se torna pouco credível mas deve contribuir para as vendas da série, ou se apenas tenho de facto antipatia pela personagem histórica. Um mulherengo sem coração mas cheio de conquistas e poderio, hehehe.

thetudors2.jpg

thetudors3.jpg

Na série Henrique VIII é apresentado como um louco inconsequente e desvairado, pinga amor, ingénuo e cruel mas cheio de glamour. Um giraço, desportivo e esquio sempre com um certo ar de preocupação. A série tem um guarda-roupa impressionante e curiosamente tive oportunidade de ver a forma imunda como é tratado o rei de Portugal na época da dinastia Tudor. A irmã mais velha de Henrique VIII, a princesa Margaret Tudor, na série, casa em Portugal com o rei (D. Manuel I?), um velho decrépito e nojento, de pés sujos. A corte portuguesa é apresentada como um antro de seres andrajosos, porcos e velhacos. Uma coisa impressionante! É claro que mediante este cenário a bela princesa Margaret Tudor só pode mesmo matar o marido na noite de núpcias e pirar-se com o amante. Coitadinha… já tinham ouvido falar numa princesa inglesa que assassina um rei português? Margaret Tudor casa mesmo com um rei português ou com um rei escocês? D. Manuel I casou com uma inglesa ou com três portuguesas? Mary Tudor, a irmã mais nova de Henrique VIII, é que casa com Charles Brandon, duque de Suffolk depois de ficar viúva de Luís XII..? Eu não sou grande historiadora mas agradecia que alguém me respondesse a estas questões com factos documentados… é que ali ficção e realidade parecem um pouco baralhadas. Como é comum no entretenimento da actualidade misturam-se inúmeras narrativas históricas em prol do efeito produzido no espectador mas há limites…


6 comentários:
De rafgouv a 16 de Outubro de 2007 às 08:35
:???: Pois, aqui há muito gato!! D. Manuel casou-se 3 vezes - com D. Isabel de Aragão, D. Maria de Aragão e D. Eleonor de Habsburgo -enquanto o seu sucessor D. João III se casou com D. Catarina de Habsburgo... Toda esta linhagem se aliou com a nobreza espanhola (da qual os Habsburgos, dinastia de Carlos V, faziam parte), inimiga mortal dos ingleses, o que viria a dar origem à crise dinástica originada pelo desaparecimento de D. Sebastião.


De mouseland a 16 de Outubro de 2007 às 15:25
:mrgreen::mrgreen::mrgreen: É curioso não é? Devias ver o aspecto do rei português... xxx mouse


De António a 17 de Outubro de 2007 às 13:21
Olá Mouse

Há quanto tempo, não é? Mas tenho seguido com atenção todos os posts, à medida que vão sendo editados. Os mundos é que são tão outros que me limito a lê-los, com agrado, acrescento.

Curioso post este, que traduz exactamente aquilo que penso (poderia ter sido escrito por mim, eh,eh,eh):cool: e que coloca a mesma dúvida que ninguém me sabe responder: que Rei português é esse que foi assassinado pela mulher, inglesa? A higiene inexistente desse Rei acredito ser a única coisa mais verosímil na série. Reparaste nos cenários imaculados Ingleses? Nos interiores do navio que transporta a princesa inglesa, também impecáveis?

O resto da série é o que descreves. Entretém. Bons cenários, bom guarda-roupa, pouca substância, péssimo casting. Horas impróprias.


De mouseland a 17 de Outubro de 2007 às 17:05
:mrgreen::mrgreen::mrgreen: Olá António,

Pois é andas desaparecido da blogoesfera :cool: mas fico contente que seja apenas em matéria de comentários.

Os ingleses são todos muito aprumadinhos e limpinhos o que contrasta ainda mais com as imagens dos portugueses... aquilo é indecente mesmo que a sujidade seja fiel. Por muitos relatos sobre a nossa pocilga aquilo... hehehehe... é contrastante com a limpeza deles que também não deve ser nada real. Basta olhar para a gordura que o Rei Henrique VIII foi acumulando. Enfim, é o que dizes vai entretendo.

xxx mouse


De Marco Borges a 3 de Junho de 2016 às 20:06
Aqui do Brasil eu havia assistido a série espanhola Isabel de Castela, excelente, e historicamente fidedigna. Fiquei decepcionado esperando que esta série Os Tudors mantivesse o mesmo padrão. Francamente, esta série é horrível, caricata, dedica-se na maior parte do tempo a assuntos de alcova. Mas o que me indignou mesmo foi esse tratamento dado a Portugal e seu rei (Manuel, o venturoso?). Como se isso não bastasse, a incrível imprecisão histórica, pois o casamento retratado jamais existiu. Em contraste, D. Manuel I na referida série espanhola tratado como um homem reto e digno, até melhor do que provavelmente deve ter sido o verdadeiro. Por isso, recomendo que não percam tempo com essa série inglesa, e se puderem assistam à série espanhola, esta sim entretenimento de primeira.


De mouse a 3 de Junho de 2016 às 20:28
Obrigada pela sugestão! :-).


Comentar post

.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

31


.posts recentes

. EM SÃO PAULO, ENTRE OS RU...

. "THE LAST OF US", AMOR, L...

. QUE SORTE PODER VOLTAR A ...

. MEXICO DF UMA CIDADE ONDE...

. A MINHA SAGA COM O CANDY ...

. QUATRO FILMES A NÃO PERDE...

. PABLO ESCOBAR, O PATRÃO D...

. A MINHA FRUSTRAÇÃO COM O ...

. "THE WALKING DEAD" (GAME)...

. NUMA JANGADA DE POVOS IBÉ...

.arquivos

. Março 2014

. Dezembro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Maio 2012

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

.tags

. apostas

. arte e design

. artes e design

. cibercultura

. ciberfeminismo

. cibermemórias

. cinema

. colaborações

. divulgação

. enigmas

. entrevista

. exposições

. festas

. game art

. game art exposições

. gamers

. iconografias

. indústria de jogos

. interfaces

. jogos e violência

. livros sobre jogos

. mouse conf.

. mouse no obvious

. mouseland

. myspace

. pop_playlist_game

. portfólios

. script

. segredos

. séries tv

. teatro

. textos

. viagens

. viagens cinema

. todas as tags

.links
.participar

. participe neste blog

.MOUSELAND _ PATRÍCIA GOUVEIA
ARTES E JOGOS _ DIGITAIS E ANALÓGICOS
blogs SAPO
.subscrever feeds