Sexta-feira, 6 de Junho de 2008
“TROPA DE ELITE”, EM TODO O LADO O DIABO ESPREITA

tropa_elite.jpg 


tropa_elite_2.jpg

Finalmente tive oportunidade de ver o polémico filme brasileiro Tropa de Elite (José Padilha, 2007). Polémico, por um lado, não só pelo tema abordado, as imensas sinergias entre polícias e traficantes no Rio de Janeiro, mas também porque, segundo algumas curiosidades disponíveis no portal Adoro Cinema, os traficantes do morro Chapéu Mangueira, onde se realizaram as filmagens, raptaram parte da equipa de produção do filme e algum material cinematográfico. Polémico, por outro lado, porque cópias piratas deste documento circularam no Brasil antes da estreia do mesmo. Um conjunto de circunstâncias que despoletaram alguma curiosidade em relação ao filme e que ajudaram sem dúvida à promoção deste. Ora, não posso deixar de confessar que dadas as circunstâncias estava bastante céptica em relação a Tropa de Elite e foi com alguma surpresa que descobri um filme interessante.

tropa_elite_1.jpg

tropa_elite_3.jpg

Originalmente um projecto de documentário sobre o BOPE, polícia de elite do Rio de Janeiro, e sigla que literalmente quer dizer Batalhão de Operações Policiais Especiais, este filme recebeu as contribuições de Rodrigo Pimentel, que escreveu em parceria com o sociólogo Luís Eduardo Soares o livro “Elite da Tropa”. Embora o realizador recuse considerar que houve uma adaptação do livro teve o cuidado de preparar meticulosamente o documento em questão através de investigações que incluíram a contribuição de polícias, psiquiatras da polícia e ex-traficantes. A verdade é que o filme consegue, quanto a mim, produzir uma reflexão algo aberta sobre a ineficiência e corrupção policial bem como sobre o relativismo inoperante de uma ONG a trabalhar na favela ali apresentada. O relativismo multicultural é ironizado de forma algo subtil na maneira como se colocam os estudantes de direito, que abordam e interpretam a obra de Michel Foucault, Vigiar e Punir, e que transformam a polícia em demónios, em paralelo com a vida na favela onde vão fumar charros. Tudo isto misturado num caldeirão que não ignora o stress vivido pelos agentes da polícia que tentam não sucumbir à corrupção. Em todo o lado o diabo espreita, diria talvez Nietzsche. Um filme que dá que pensar e que recebeu um Urso de Ouro no Festival de Berlim.
tags:


9 comentários:
De andrade a 15 de Junho de 2008 às 02:50
:neutral::roll: Gostava imenso de ver este filme mas ainda não consegui. Já saiu em Portugal em DVD? Andrade


De mouseland a 15 de Junho de 2008 às 17:13
:neutral::razz::razz: Não estou totalmente certa mas penso que não. Eu vi porque me trouxeram do Brasil e tenho ainda o leitor de DVD de lá. xxx mouse


De Ethan Brocke a 29 de Junho de 2008 às 10:23
A polémica a que deu azo Tropa de Elite (eu esteve na Alemanha quando ganhou prémio) tem que ver com sua visão populista (é filme favorito de Silvio Berlusconi) e não por causa do tema ou do fait divers rocambolesco da rodagem. Se defender que a brutalidade se combate com brutalidade condenando tudo o que de perto ou de longe parece intelectual ou humanista testemunha de um olhar aberto e de um desafio ao pensamento... vou ali já venho.
Para mim Tropa de élite é série b competente, levar a sério seu discurso grunho é pecado!


De mouseland a 29 de Junho de 2008 às 14:46
:mrgreen::mrgreen::mrgreen: Caro Ethan,

Perdoe-me a gargalhada mas a intervenção do casal (acabei de responder à sua esposa no blog obvious um olhar mais demorado) neste domingo enevoado de Junho é no mínimo hilariante. Penso que o Ethan não deve ter compreendido bem o filme “Tropa de Elite”, do alto das paisagens helvéticas onde se encontra, de facto aquele documento pode parecer o equivalente a pornografia mas lá no Morro a coisa é um bocado diferente asseguro-lhe.

Olhe dedique-se à pesquisa religiosa e ao visionamento da grande final do europeu que isso só lhe vai trazer boas aragens à cabeça pois sobre brutalidade e humanismo estamos conversados. Beba uma cervejinha alemã e uma tapas espanholas acompanhado do seu televisor de alta definição, tranquilo e sem preocupações de maior, que isso assim é fácil opinar sobre populismo e afins. Se um destes dias se quiser dar ao trabalho dê uma olhada no jornal "A folha de São Paulo" ou outro só para se inteirar o quão confortável é a sua vida.

xxx mouse


De rafgouv a 30 de Junho de 2008 às 09:25
:mrgreen:
Mouse, não quero ser o advogado a parelha Alda/ Ethan cujas reflexões por vezes estapafúrdias não deixam de me parecer bastante estimulantes mas acho a tua resposta bastante injusta. Li alguns artigos em que este filme até era qualificado de "fascista". Ora, tu deixas entender que a dureza da vida no Morro justificaria tratamentos autoritários fascizantes?... Terei entendido bem?


De rafgouv a 30 de Junho de 2008 às 11:21
De facto o Dr. Ethan não inventou nada... Pode-se ler na wikipedia a propósito dessa polémica (não vi o filme por isso não posso opinar):

When the film was first leaked, it caused a major controversy for its portrayal of Capitão Nascimento's unpunished police brutality in favelas. After the exhibition in Berlin Festival, critic Jay Weissberg, in a Variety article, called the movie "a one-note celebration of violence-for-good that plays like a recruitment film for fascist thugs". Michel Misse, a researcher for Universidade Federal do Rio de Janeiro, in an interview to Carta Capital, tried to explain why Capitão Nascimento is cheered: "as the judiciary system cannot keep up with the demand for punishment, some may think civil rights leads to unpunishment. And then, they want illegal solutions. That's why Capitão Nascimento is called".

Brazilian critic Marcelo Janot says that a "Hollywood logic would seem to be the perfect recipe to reach the top of the box office — don't be surprised if Miramax pushes hard to get Oscar nominations for the film — but in a society that sees no solutions for this chaotic panorama, it's really dangerous when a film suggests that the fascist BOPE methods are the only solution to "clean" the city."

:cool:


De mouseland a 30 de Junho de 2008 às 12:49
:shock::mrgreen::mrgreen: Caro Rafgouv,

Começa por ver o filme depois opina. Penso que tu és dos maiores críticos de algumas frases, textos da wikipédia..? Sabes perfeitamente que existem opiniões para tudo por isso expressa então a tua opinião e não te centres em afirmações alheias que não podes interpretar através da tua própria opinião, por favor!

Repara que para mim, no texto que escrevi, é um disparate essa analogia do fascismo bem como essa tirada em relação à brutalidade do BOPE. Ali encontra-se essencialmente luta pela sobrevivência, coisa que é inerente à espécie humana desde os primórdios. Não devo ser a única a ter essa opinião pois de outra forma o filme não teria sido bem recebido por alguns, será que é por ser fascista..? xxx mouse


De rafgouv a 30 de Junho de 2008 às 13:40
:twisted::twisted:
Mouse,
Vamos por partes pois parece-me importante manter alguma coerência e delicadeza antes de começar a enviar furiosamente scuds para todos os lados.
Ninguém criticou a tua opinião em relação ao filme. O Dr. Ethan disse justamente que a polémica sobre o filme não era devida aos elementos pitorescos que enumeras (o tema, o rapto da equipa e a pirataria...) mas antes ao cariz ideológico do filme. Ora não vi no teu artigo referência nenhuma a esse cariz... É essa a única crítica que te é feita...

A partir daí tanto podes achar que essas acusações são "ridículas" ou, com o Dr. Ethan, que elas se justificam...

Quanto à observação sobre a justeza da wikipedia: repara que a citação que fiz contém referências a diversos artigos editados em publicações de qualidade e que eu próprio me lembro de ter lido alguns desses artigos (como tinha afirmado antes). Não foi o autor do texto da wikipedia que citei mas as referências que nele aparecem e que têm a vantagem de ser variadas e internacionais. Aposto que se tivesse citado um jornal alemão me terias dito que isso eram os alemães e se tivesse citado um jornal francês terias dito que era típico da escola francesa... assim com referências transcontinentais podes avaliar que se trata de uma polémica mesmo internacional. Se é ou não justificada, direi quando tiver visto o filme.


De mouseland a 30 de Junho de 2008 às 16:46
:mrgreen::mrgreen::mrgreen: Sim quando tiveres visto o filme.

xxx mouse


Comentar post

.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

31


.posts recentes

. EM SÃO PAULO, ENTRE OS RU...

. "THE LAST OF US", AMOR, L...

. QUE SORTE PODER VOLTAR A ...

. MEXICO DF UMA CIDADE ONDE...

. A MINHA SAGA COM O CANDY ...

. QUATRO FILMES A NÃO PERDE...

. PABLO ESCOBAR, O PATRÃO D...

. A MINHA FRUSTRAÇÃO COM O ...

. "THE WALKING DEAD" (GAME)...

. NUMA JANGADA DE POVOS IBÉ...

.arquivos

. Março 2014

. Dezembro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Maio 2012

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

.tags

. apostas

. arte e design

. artes e design

. cibercultura

. ciberfeminismo

. cibermemórias

. cinema

. colaborações

. divulgação

. enigmas

. entrevista

. exposições

. festas

. game art

. game art exposições

. gamers

. iconografias

. indústria de jogos

. interfaces

. jogos e violência

. livros sobre jogos

. mouse conf.

. mouse no obvious

. mouseland

. myspace

. pop_playlist_game

. portfólios

. script

. segredos

. séries tv

. teatro

. textos

. viagens

. viagens cinema

. todas as tags

.links
.participar

. participe neste blog

.MOUSELAND _ PATRÍCIA GOUVEIA
ARTES E JOGOS _ DIGITAIS E ANALÓGICOS
blogs SAPO
.subscrever feeds