Terça-feira, 30 de Setembro de 2008
NIAGARA FALLS, ONTÁRIO, CANADÁ
niagara_3.jpg

niagara_4.jpg

niagara_7.jpg

A visita às Cataratas do Niágara foi para mim uma surpresa, confesso que estes destinos turísticos me deixam sempre com alguma suspeição mas desta vez fui absolutamente surpreendida pela sensação que tive perante aquele espectáculo natural. A força e o barulho da água fizeram-me “viajar” para um ambiente relaxante e único, o azul esverdeado e aveludado daquele turbilhão é maravilhoso mas é certamente o som que encanta realmente e nos transporta para uma outra realidade sensorial. Saímos de Toronto à hora de almoço e, depois de um passeio pelas redondezas, chegámos a Niagara por volta das cinco horas da tarde. Apanhámos o barco, Maid of the Mist, e bem próximos das cataratas, tanto do lado canadiano como americano, mas principalmente no lado canadiano, senti um verdadeiro calafrio emocional pela grandeza, pela escala, pela dimensão daquele “repuxo” de água. O meu parceiro assegurava-me que a sensação era muito mais impressionante do que a que sentira nas cataratas do Iguaçu embora estas, segundo me explicou, sejam maiores e aparentemente mais bonitas falta-lhes aquela força e violência da água a correr.

niagara_5.jpg

niagara_1.jpg

niagara.jpg

À noite jantámos num restaurante com panorama sobre as cataratas e encontrámos dois estudantes de MBA da Arábia Saudita que conheciam imensos jogadores de futebol portugueses e que ficaram fascinados quando perceberam que na Europa o facto dos jogadores terem ou não um curso superior era secundário. Uma vez que assisti aos Jogos Olímpicos de Pequim em solo canadiano, o que foi bastante conveniente em matéria de horários pois o fuso é de aproximadamente 12 horas, pude constatar de forma acentuada uma coisa que já sabia, a importância dada aos estudos universitários dos atletas e o enfoque nas universidades onde estes estudaram bem como a enorme sinergia existente na América do norte entre atletas de alta competição e universidades. Achei curioso olhar para a cara surpreendida dos estudantes de MBA quando lhes dizíamos que na Europa os jogadores eram mais comummente certificados “pela escola da vida”. Depois do jantar o nosso motorista Mark, nascido na Holanda mas há mais de quarenta anos no Canadá, deixou escapar um turista iraniano e andámos, em grupos, uns quarenta minutos à procura dele. Finalmente, e depois do Mark ter chamado a polícia, lá apareceu o iraniano de táxi, tinha-se perdido naquele lugar mínimo e onde parecia impossível perder o norte.

niagara_6.jpg

niagara_8.jpg

niagara_2.jpg

No caminho de regresso a Toronto contaram-nos a história dos emigrantes chineses durante a construção dos caminhos-de-ferro canadianos. De acordo com o que nos contaram inúmeros chineses pensaram trazer a família para o Canadá, depois de acabada a empreitada, mas os canadianos, com receio de uma invasão asiática, fizeram passar uma lei em que os trabalhadores chineses, para trazerem a família, tinham que pagar uma quantia de aproximadamente 5,000 dólares o que, na época, equivalia a mais ou menos dois anos de salário. Assim, os chineses na impossibilidade de pagar tão exorbitante soma ficaram sós a viver no Canadá e imensos problemas sociais se geraram. Segundo nos disseram ainda, recentemente o governo canadiano tornou público um pedido de desculpas à população chinesa. A verdade é que, talvez por esta e outras histórias assim, com uma enorme população de emigrantes, as cidades canadianas que conheci são as que maior número de pessoas “loucas”, “estranhas”, “bizarras”, “apanhadas”, não sei que mais adjectivos, vi nas ruas. Há qualquer coisa de desajustado mas nunca percebi bem o quê. São bêbados pacíficos, alguns bem vestidos aos tombos, ou senhoras maquilhadas a rir desalmadamente em paragens de autocarro, ou gente sem-abrigo estendida no chão… muitos pedintes… sem violência. Realmente compreendi ainda melhor os livros de Douglas Coupland. Há qualquer coisa de verdadeiramente insólito.
tags:


2 comentários:
De Armindo Sobeja a 1 de Outubro de 2008 às 14:23
Se imaginam que a qualidade intelectual dos atletas é superior quando frequentam a"universidades" estão muito enganados. Os estudantes "desportistas" são na maioria dos casos dispensados das aulas teóricas. É uma espécie de troca comercial (como nos clubes capitalistas): a universidade oferece o prestigioso canudo e o atleta oferece uma espécie de "pop credibility" à universidade. E assim, as elitistas universidades americanas podem gabar-se de contribuirem para a mestiçagem social graças aos atletas "coloridos" que albergam. Além disso existe um circuito desportivo universitário que corresponde a uma liga de clubes... Na América, como na Europa, o desporto (e muito especialmente o desporto universitário) é uma indústria como as outras. Elogiar um tal sistema é sacrificar os verdadeiros valores do desporto olímpico (amador) e da universidade (académica).


De mouseland a 1 de Outubro de 2008 às 15:23
:mrgreen::mrgreen::mrgreen: Yeps Armindo tens toda a razão. Eu e o p. falámos imenso desse aspecto do canudo de mão beijada só para dar prestígio à instituição. Ninguém elogia absolutamente nada apenas constata uma evidência, ok? xxx mouse


Comentar post

.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

31


.posts recentes

. EM SÃO PAULO, ENTRE OS RU...

. "THE LAST OF US", AMOR, L...

. QUE SORTE PODER VOLTAR A ...

. MEXICO DF UMA CIDADE ONDE...

. A MINHA SAGA COM O CANDY ...

. QUATRO FILMES A NÃO PERDE...

. PABLO ESCOBAR, O PATRÃO D...

. A MINHA FRUSTRAÇÃO COM O ...

. "THE WALKING DEAD" (GAME)...

. NUMA JANGADA DE POVOS IBÉ...

.arquivos

. Março 2014

. Dezembro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Maio 2012

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

.tags

. apostas

. arte e design

. artes e design

. cibercultura

. ciberfeminismo

. cibermemórias

. cinema

. colaborações

. divulgação

. enigmas

. entrevista

. exposições

. festas

. game art

. game art exposições

. gamers

. iconografias

. indústria de jogos

. interfaces

. jogos e violência

. livros sobre jogos

. mouse conf.

. mouse no obvious

. mouseland

. myspace

. pop_playlist_game

. portfólios

. script

. segredos

. séries tv

. teatro

. textos

. viagens

. viagens cinema

. todas as tags

.links
.participar

. participe neste blog

.MOUSELAND _ PATRÍCIA GOUVEIA
ARTES E JOGOS _ DIGITAIS E ANALÓGICOS
blogs SAPO
.subscrever feeds