Sexta-feira, 16 de Janeiro de 2009
FIM DE ANO EM ISTAMBUL_2008
instambul_ayasofiaemesquitaazul.jpg

instambul_vista.jpg

instambul_vista_1.jpg

instambul_taksin.jpg

Istambul é uma cidade realmente surpreendente. O nosso programa de visitas foi bastante intensivo e o frio não permitiu alguns passeios ao ar livre mas voltei com a sensação que um dia destes vou regressar à cidade de Orhan Pamuk. No primeiro dia fomos visitar o Palácio Topkapi e fiquei logo deliciada com a preservação das cozinhas, do harém e de todo o jardim. Aprendi alguma coisa sobre a hierarquia dos sultões e vi as belas jóias do tesouro e a faca “verde”, com a grande pedra de jade. Tomámos um chá de maçã açucarado, a apreciar a vista do Bósforo naquela localização, e lá voltámos à visita. A temperatura rondava os dois graus abaixo de zero e os espaços, fora talvez uma sala ou duas, não estavam muito quentes. Nessa manhã percorremos a ponte de Galata debaixo de chuva, da Praça Taksim ou, mais concretamente da zona de Cihangir, até Sulthanamet.

instambul_iconografias_6.jpg

instambul_iconografias_4.jpg

instambul_iconografias_5.jpg

instambul_pombos.jpg

Na véspera, à noite, ainda fomos andar pelas ruas comerciais perto da Praça Taksim, a Tiananmen da Turquia, onde no fim de ano há sempre problemas de exaltação de almas bêbadas, segundo reportava um artigo da Time Out Istanbul daquele período. Este ano não houve nada a assinalar felizmente. Encontrámos logo, quando chegámos, a representação turca do famoso Wagamama de Londres. Deglutimos um prato de massas com lemon grass delicioso e uma outra iguaria bastante picante, a comida turca ficaria para mais tarde. Quem resiste ao Wagamama quando em Lisboa não há nenhum?

instambul_mercadoegipcio.jpg

instambul_mercadoegipcio_1.jpg

instambul_especiarias.jpg

instambul_especiarias_1.jpg

Seguiu-se uma ida ao Istanbul Modern que muito apreciámos. Se a colecção permanente de arte moderna turca é, à excepção de um ou dois quadros, dos quais destaco “Dog Walking Área” de Ozdemir Altan (1931), desapontante, a exposição temporária “Held Together With Water”, a mostra de vídeos do polaco Zbigniew Rybcznski, a instalação new media, “Eye Catching”, da artista Jennifer Steinkamp e a localização do museu, encheram-nos as medidas. Mais informações sobre a exposição “Held Together With Water” aqui. Nessa tarde ainda fomos até ao Gran Bazar, local bastante bem conservado, e ao mercado Egípcio, mais popular e decadente mas também mais genuíno. Ambos bastante interessantes no que toca à imagem das especiarias, turkish delights (Lokum), e afins. Posso confessar que fiquei viciada nestas delícias turcas e, eu que não sou grande amante de doçaria, fui várias vezes comprar novos espécimes à pastelaria local. Com um chá de maçã, uma delícia turca, um relance do Bósforo, e a uma temperatura acima dos vinte graus, podemos considerar que estamos perto do paraíso. Estas delícias fazem, quanto a mim, parte do cenário de Istambul e estão por todo o lado com todos os seus sabores e feitios. O azeite condimentado com especiarias, ao estilo italiano, é outra iguaria local que substitui, no início da refeição, o nosso pão com manteiga.

instambulgalata_2.jpg

instambulgalata_1.jpg

instambulgalata_4.jpg

instambulgalata_3.jpg

No dia seguinte fomos até à mesquita azul e, com os pés descalços ao frio, conhecemos e percorremos aquele espantoso edifício. Seguimos directamente para a também magnífica Aya Sofia, ou Santa Sofia, mas estava fechada. Calcorreamos as ruas do centro e começámos a interiorizar a geografia da cidade. Voltámos no dia seguinte à Aya Sofia e é difícil explicar a sensação que o Museu provoca. É tudo tão surpreendente do ponto de vista visual: a dimensão, o estado de conservação, a atmosfera, a iluminação… que não me parece que consiga encontrar as palavras certas. Entretanto, Istambul já estava progressivamente a entranhar-se. Algures no tempo, fizemos o passeio no Bósforo e vimos do mar, por dez euros cada, o contorno turístico de que fala Pamuk. O lado ocidental e oriental, as duas faces da mesma moeda. Vimos, o que já sentíamos desde que tínhamos chegado, a magnitude daquela cidade, toda virada para o mar, em paralelo com uma decadência enorme, um misto de grandeza e tristeza, de melancolia e altivez. É uma sensação estranhíssima. O design, os restaurantes e bares da moda, misturados com as ruas sujas e os passeios decrépitos. Os gatos e os cães vadios, nos cemitérios, atrofiados entre casas muito estreitas. E eu pensava na ilha para onde tinham sido enviados, em tempos, os cães da cidade de Istambul, para aí morrerem à fome. Mas mais do que cães encontrávamos gatos. Gatos por todo o lado, a remexer os sacos de lixo, também estes em toda a parte, abertos, remexidos... A “gataria” assustou-me algumas vezes mas, fora isso, nunca senti qualquer receio em Istambul, em lado nenhum.

instambulcisterna.jpg

instambulcisterna_1.jpg

instambulcisterna_medusa.jpg

instambul_ayasofia_interiores.jpg

A visita à cisterna do palácio revelou-se outra surpresa, andar pelos confins húmidos da terra e poder ver as duas cabeças de medusa foi um verdadeiro privilégio. Um lugar mágico que se furta também à descrição, é preciso ler o mito da medusa naquele espaço, ver os peixes a nadar no chão banhado de água, noutros tempos lugar de pescaria, e sentir as gotas a escorrer do tecto. A iluminação é de tal forma espantosa que mais uma vez a linguagem não encontra as palavras certas para descrever o ambiente. É preciso ir lá sentir aquilo. Saímos e percorremos outra vez a ponte de Galata, com os seus pescadores de todas as idades. Apanhámos o metro de superfície, depois de termos comprado um Jetón (moeda para introduzir na máquina), com destino a Karakoy. Num dos dias fomos de Túnel, um elevador curioso que nos transportou directamente para a zona de Taksin. Mais moderno do que o elevador de Santa Justa. Quanto a semelhanças entre Lisboa e Istambul apenas as sete colinas e os edifícios muito degradados. De resto, enquanto Istambul está em directa ligação com o mar, Lisboa está de costas. Os turcos, para grande surpresa minha, são de uma delicadeza impressionante, os serviços são muito profissionais e, mesmo nos mercados, não tem tendência para chatear os turistas, ao contrários dos marroquinos, que conheci há trinta anos em Marrocos.

instambul_iconografias.jpg

instambul_iconografias_2.jpg

instambul_lettring.jpg

instambul_tectos.jpg

Vim com duas perguntas na alma: porque será que não há mulheres em lado nenhum a servir? Só homens, nos restaurantes, nos cafés, nas mercearias, mesmo em 2009..? Porque será que os turcos são assim delicados e atenciosos? Devido ao lado asiático e a uma certa cultura do detalhe também frequente nas sociedades asiáticas e tão diferente das culturas ocidentais? Não encontrei, ou não quis encontrar, resposta para ambas as questões e tive vergonha de perguntar. No nosso hotel a luz ia abaixo a “torto e a direito” e isto acontecia, segundo nos disseram, porque os estudantes da zona “pilhavam” a energia. Achámos piada à justificação que não tinha piada nenhuma. Tínhamos frio e nevava lá fora. No dia 1 de Janeiro de 2009 andámos, pela primeira vez verdadeiramente ao sol, a percorrer as ruas de Beyoglu, até ao Palácio de Dolmabahçe, construído no declínio do império Otomano. O ano começou bem.


7 comentários:
De Profiterole a 19 de Janeiro de 2009 às 15:29
Olá Mouse. Não tive oportunidade de ir ao Instanbul Modern. Mas já vi que perdi muito... Assim que tenha oportunidade também hei-de postar algumas fotos. * * * *
Profiterole


De Profiterole a 19 de Janeiro de 2009 às 15:36
Queria ainda dizer-te que no Bairro Judeu, perto da Igreja de Chora, vi mulheres a atenderem ao publico. Tanto em cafés como em casas de jogo. Curioso, uma vez que é uma zona menos turistica e onde se vê um maior numero de mulheres a usarem o lenço...


De mouseland a 19 de Janeiro de 2009 às 15:38
:mrgreen::mrgreen::mrgreen: Pois fomos a sitios diferentes o que dá ainda mais vontade de lá voltar... as imensas possibilidades daquela cidade deixaram-me com saudades, hehehe. Acabaram-se as delicias turcas que trouxe, arghhhhhhh. Mas ainda tenho chá para dissolver, hihihi. xxx mouse


De mouseland a 19 de Janeiro de 2009 às 15:41
:mrgreen::mrgreen::mrgreen: Só agora vi esta tua segunda mensagem e obrigado! Pois isso ainda intensifica mais o mistério... xxx mouse


De val a 20 de Janeiro de 2009 às 20:11
http://www.tvacaboparatodos.net

Segredos do Mercado Livre
Em menus de 1 minuto você estará assistindo Tv A Cabo de graça em seu pc
Saiba como ter banda larga e telefone de graça
Aprenda como desbloquear Sky, Net, Tva, Tecsat, Vision, Jerrold, Tocom
Aprenda como não pagar multas de transito
Limpe seu nome no spc e serasa sem pagar a sua divida
Aqui você encontra de tudo do cocô a bomba atômica



http://www.tvacaboparatodos.net


De mouseland a 22 de Janeiro de 2009 às 13:38
:mrgreen::mrgreen::mrgreen: Olá Mimi, Obrigado pelo comentário. O ano começou de facto bem mas eu aprecio bastante esta época do ano, ao contrário do Outono :wink:. Disseram-me que num centro comercial em Oeiras se vendiam delícias turcas mas se conheceres um sítio concreto em Lisboa por favor diz-me. O carregamento que trouxe começa a esgotar-se, hehehehe. xxx mouse


De Mimi a 22 de Janeiro de 2009 às 11:07
Imagino, quase que visualizo, o teu primeiro de Janeiro frio, limpo e luminoso. Espero que esse dia de Inverno seja a promessa de um 2009 auspicioso! :smile:
Não sei se te interessa, mas já comprei Delícias Turcas aqui em Lisboa! Cá também há! :mrgreen:


Comentar post

.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

31


.posts recentes

. EM SÃO PAULO, ENTRE OS RU...

. "THE LAST OF US", AMOR, L...

. QUE SORTE PODER VOLTAR A ...

. MEXICO DF UMA CIDADE ONDE...

. A MINHA SAGA COM O CANDY ...

. QUATRO FILMES A NÃO PERDE...

. PABLO ESCOBAR, O PATRÃO D...

. A MINHA FRUSTRAÇÃO COM O ...

. "THE WALKING DEAD" (GAME)...

. NUMA JANGADA DE POVOS IBÉ...

.arquivos

. Março 2014

. Dezembro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Maio 2012

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

.tags

. apostas

. arte e design

. artes e design

. cibercultura

. ciberfeminismo

. cibermemórias

. cinema

. colaborações

. divulgação

. enigmas

. entrevista

. exposições

. festas

. game art

. game art exposições

. gamers

. iconografias

. indústria de jogos

. interfaces

. jogos e violência

. livros sobre jogos

. mouse conf.

. mouse no obvious

. mouseland

. myspace

. pop_playlist_game

. portfólios

. script

. segredos

. séries tv

. teatro

. textos

. viagens

. viagens cinema

. todas as tags

.links
.participar

. participe neste blog

.MOUSELAND _ PATRÍCIA GOUVEIA
ARTES E JOGOS _ DIGITAIS E ANALÓGICOS
blogs SAPO
.subscrever feeds