Domingo, 14 de Janeiro de 2007
CIBERMEMÓRIAS EM ENTREVISTA_0
entrevista_bakali1.jpg

entrevista_bakali.jpg

Bakali há mais de dez anos que organizas festivais new media em Portugal. Que festivais organizaste em Portugal? Em que eventos participaste no estrangeiro? Em que medida tentaste articular a tua experiência no estrangeiro (como participante) com a tua acção e produção (activa) na esfera nacional? 

São várias perguntas que podem não ter respostas que se encaixem num fluxo linear. Por facilidade de exposição talvez o melhor seja optar por uma visão mais ou menos cronológica. As primeiras saídas datam de a.I. (antes da Internet) e articularam de forma muito concreta uma vontade profissional – a de produzir conteúdos audiovisuais, como então se chamavam – com um objectivo mais cívico e abrangente: o de criar fluxos de produção entre criadores independentes europeus. É o início (final dos anos oitenta) do sonho de uma Europa cultural e criativa, capaz de assimilar várias línguas, os países mais periféricos, e os pequenos actores do mercado. Nesses tempos falava-se muitos de regiões e até de cidades; nesse sentido era mais Europa que hoje, em que há um poder altamente centralizado e burocratizado (Bruxelas) e em que, apesar de não viajarmos com passaporte, se voltou às pequenas lógicas nacionais e a transversalidade é uma qualidade que sobrevive exclusivamente nas grandes companhias multinacionais do capitalismo tardio. Entre Edimburgo (Small Countries, Small Televisions), Madrid (com quem desenvolvemos o Projecto Ibérica) e Paris (onde fomos às compras) nasceu a Latina-Europa, empresa que produziu, entre outros, o magazine cultural “Lusitânia Expresso” e o programa de música “Pop-Off”. Porque introduzimos as imagens computacionais na programação regular de TV (antes apenas usada em publicidade devido aos seus elevados custos) comecei, no início da década de noventa, a deslocar-me regularmente ao festival Imagina (Mónaco). Foi lá que descobri palavras novas: cyberpunk, cyberspace, crypto-anarchy, etc., não todas de uma única vez mas ao longo dos anos. O David Chaum falava de dinheiro digital, o Pierre Levy de inteligência colectiva, o Phillipe Quéau de virtualidade, a Patti Maes de agentes inteligentes, tudo isto um pouco antes da Europa acordar para a Internet e para o Ciberespaço.


De lá para cá, o Fernando Soares, o Paulo Querido e o Miguel Vitorino, de “A Rede”, ensinaram-me os modems e as BBS. Do Blitz ligava-me à The Well e não só, a custos proibitivos de telecomunicações. Fizemos a primeira versão electrónica do Blitz (o eBlitz, assim baptizado pelo falecido Miguel Afonso) que mais não era que uma lista de ficheiros “.txt” disponíveis para download. No LNEC, o PUUG (Portuguese Unix Users Group) e a Telepac apresentaram a Internet aos leigos, com a presença da Shari Steele da EFF (Electronic Frontier Foundation). Nesse dia o Mário Valente, fundador da Esotérica, ofereceu-me um endereço de e-mail que ainda hoje está activo. O Blitz tornou-se assim o primeiro jornal a ter endereço electrónico e eu o primeiro jornalista a assinar com nome e e-mail.

Voltando aos amigos do Mónaco, o Timothy May enviou-me o manifesto da BlackNet e uma mensagem encriptada em PGP; a Patti Maes ofereceu-me o primeiro número da Wired; e conheci o Coast (João Pedro Silva) que me introduziu ao PortugalVirtual, provavelmente a maior comunidade virtual em Portugal (passe o absoluto pleonasmo).


entrevista_bakali3.jpg

A partir de 1995 tudo acelera. Em Vigo, num festival de Realidade Virtual, conheci o António Mayo que me convidou ao Art Futura de Madrid; o Rafael Lozano-Hemmer organiza a primeira CyberConf europeia (também em Madrid); e o eBlitz passa a ser programado em HTML e a ter imagens (muito feio, o design era meu, lol). Nesta altura, em que terminara a minha carreira na televisão (entretanto aberta à iniciativa privada e transformada numa máquina emissora de telenovelas brasileiras) fui desafiado pela Maria do Rosário Lopes (que organizou o primeiro CiberFestival) do Fórum Telecom, para organizar um evento que falasse de todas estas coisas novas que nos estavam a acontecer (ou para acontecer).

Enquadrando esta parte da história na pergunta, suponho que a minha paixão pela organização de um certo tipo de eventos tem o seu quê de fortuito. Agradava-me imenso a quantidade de informação e discussão que encontrava aqui e ali quando me deslocava ao estrangeiro. Sentia que replicar essas experiências em Lisboa, mais que um desafio, era um dever cívico; mas nunca o teria feito sem o incentivo e apoio de muita gente e algumas organizações. Com a Maria do Rosário e o Blitz fiz a “Convenção Zero”, que juntou actividades mais de entretenimento (um torneio de Magic, the Gathering; uma bateria de consolas Playstation; um ciclo de cinema de ficção-científica, p.e.) com conferências de Derrick de Kerckhove, Olu Oguibe, Leo Ferreira e um “showcase” da ILM-Industrial Light and Magic com a Ellen Poon. No ano seguinte trouxemos o espectáculo de Chico McMurtrie and Amorphic Robot Works, “Robótica Tribal”, desde S. Francisco. Ainda em 97, para além do primeiro encontro entre dr Bakali e Mouse (toda uma história para contar a seu tempo), o “Art+Tech=Multimedia” reuniu o Frank Boyd (que na altura dirigia o Artec-Arts Technology Centre em Londres), Andrea Steifl (um dos mais talentosos designers que conheci), Michael Coulson (da RealWorld) e Andrew Mayhew (o autor de “Ceremony of Innocence” na Gulbenkian para um workshop sobre multimédia. E a “Convenção 1.0”, em 1998 e já com a malta do Terràvista, juntou cerca de cinquenta miúdos entre os 12 e os 16 anos, vindos de todo o país, à volta de computadores para durante uma semana construírem os seus próprios websites sob a vigilância afectuosa de John Perry Barlow. Exactamente ao mesmo tempo mas noutra parte da cidade (na FIL) tinha conseguido colocar na lista de convidados do Multimédia XXI (hoje Congresso das Comunicações) o Derrick de Kerckhove e o Roy Ascott. Com a Expo98 a acontecer, os bares deixaram de ter hora para fechar. Do meu ponto de vista, Lisboa estava efervescente, lol.


Para terminar o século XX, a Associação Terràvista e a Akademia Luso-Galátika juntaram-se para realizar o “Festival do Fim” no Lux-Frágil, com conferências, performances e muita música (inesquecível! o concerto dos Coldcut). Vamos deixar, para já, de fora desta resposta os festivais que organizei no séx. XXI, já que pertencem a outro contexto, ao pós-apocalipseJ Em termos de viagens e explorações, na segunda metade dos anos 90 tornei-me cliente habitual de vários festivais: Art Futura (Madrid), CyberConf, Doors of Perception (Amsterdão) e Milia (Cannes). Ao longo dos anos fiz alguns amigos que de uma forma ou outra me acompanham até hoje. Valerá a pena só referir as coisas ou pessoas que me espantaram…

entrevista_bakali2.jpg

Na CyberConf 96 conheci o José Bragança de Miranda e o Olu Oguibe, com quem continuo a trabalhar. Também lá estavam Manuel de Landa, Andreas Broeckmann, John Perry Barlow, Sandy Stone e Marcos Novak, só para referir aqueles que acabei por trazer a Portugal. Seguiu-se Oslo em 97 e a última CyberConf, em 1998, em Budapeste, onde conheci o Tim Boykett da Time’s Up. A CyberConf tinha um grupo de seguidores muito fiel e era, indubitavelmente, o acontecimento mais selvagem da cibercultura. Em Budapeste realizou-se num matadouro desactivado, gigantesco, bem à escala da economia planeada comunista, não sem antes um padre Hare Krishna ter realizado uma cerimónia de purificação do lugar. Misturou-se transexualidade (que giro, o dicionário do Word não reconhece esta palavra) com drogas, com alienígenas (que supostamente teriam inventado a Internet para controlar as actividades dos humanos) e a Sandy chegou mesmo a interpretar uma espécie de karaoke lésbico, à falta de melhor descrição.


Do primeiro Art Futura95 recordo-me particularmente do Mark Dippé (ILM) o mago dos efeitos especiais que lamentavelmente nunca consegui trazer a Portugal, e de uma festa numa antiga fábrica de cerveja nos arredores de Madrid, com os The Future Sound of London tocando a milhares de quilómetros de distância algumas faixas do álbum que viria a intitular-se “ISDN”, tal como a tecnologia usada para a transmissão. No ano seguinte, conheci o Roy Ascott e o Derrick de Kerkhove, que nos visitam regularmente, o Léo Ferreira, um português que nunca tinha visto Portugal, e o casal Mark Frauenfelder e Carla Sinclair, os divertidos editores da boingboing.

entrevista_bakali4.jpg

Em Amsterdão, o Doors of Perception  estava mais ligado ao design mas discutia assuntos que me interessavam, tal como o tema “Play” em 1998. Boquiaberto, com o Frank Boyd a meu lado avidamente a tomar notas, assisti à primeira recitação de “An Incomplete Manifesto for Growth” pelo Bruce Mau. O Frank enviou-nos por email as 43 regras mas o Manifesto acabou publicado no mês seguinte na revista i-D. Como bem sabes, é um dos meus textos “filosóficos” preferidos. Entretanto, a conferência final foi do Toshio Iwai, que acabava de chegar de Lisboa, vindo da inauguração do CiberFestival no CCB. Foi, simplesmente, encantatório. Se bem me lembro, a minha única decepção foi a ausência do Danny Hillis. O festival seguinte teve por tema a leveza, “Lightness”, um dos temas  também de “Six Memos for the Next Millenium”, de Italo Calvino, que acabara de ler. Ficou na memória a apresentação de “Slight, Sparse, Scant and Airy” pelo Bruce Sterling e uma escapadela ao V2 de Roterdão para uma performance do Atau Tanaka. Já o Milia sempre foi uma feira comercial, e o que lá me levou foi o pão para a boca. Mas foi em Cannes que conheci o Douglas Adams, à mesa com o John Perry Barlow, já com champanhe a sair-lhes pelas orelhas. Faziam uma dupla terrível. Só um universo cruel é capaz de nos privar do autor de The Hitchhicker’s Guide to the Galaxy. Cheguei a convidá-lo para vir a Lisboa, mas ele faleceu por essa altura.


Andei por alguns outros lados, desde o World Congress On Information Technology (Bilbau) ao Ars Electronica (Linz), dos Multimedia Labs aos workshops da Wired em Nova Iorque. Tentando terminar por ora com a questão que colocas da articulação entre o que vi lá fora e o que fiz, é óbvio que aprendi alguma coisa sobre como organizar eventos; como seleccionar o que deve ser discutido e com quem. A verdade é que na maior parte dos casos diverti-me imenso, conheci pessoas fantásticas, ouvi coisas assombrosas. Trazer essas coisas e essas pessoas para Portugal, promover ligações, foi um modo de prolongar amizades e partilhar essa riqueza adquirida.




4 comentários:
De rafgouv a 17 de Janeiro de 2007 às 14:51
Bem-vindo, Dr Bakali e parabéns pela invenção de um novo conceito: a entrevista-folhetim.
E já agora quando é que temos direito à próxima questão/episódio?


De Bakali a 17 de Janeiro de 2007 às 18:04
olá Raf

antes de mais, obrigado pelas boas-vindas e obrigado pela companhia (como ainda não vi o Borat, ando a apostar que o teu texto é melhor que o filme :)
como folhetim que realmente é, vamos tentar manter uma periodicidade semanal e competir com os resultados e noticiário da Superliga, eheh


De mouseland a 19 de Janeiro de 2007 às 00:50
:mrgreen: Gostei dessa terminologia entrevista-folhetim bem ao sabor dos tempos, heheheh.

xxx mouse


De mouseland a 27 de Janeiro de 2007 às 17:17
Uma referência a esta entrevista-folhetim com o Mister Bakali escrita por Paulo Querido:

http://pauloquerido.net/2007/01/blitz_obrigadinho_toni

xxx mouse


Comentar post

.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

31


.posts recentes

. EM SÃO PAULO, ENTRE OS RU...

. "THE LAST OF US", AMOR, L...

. QUE SORTE PODER VOLTAR A ...

. MEXICO DF UMA CIDADE ONDE...

. A MINHA SAGA COM O CANDY ...

. QUATRO FILMES A NÃO PERDE...

. PABLO ESCOBAR, O PATRÃO D...

. A MINHA FRUSTRAÇÃO COM O ...

. "THE WALKING DEAD" (GAME)...

. NUMA JANGADA DE POVOS IBÉ...

.arquivos

. Março 2014

. Dezembro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Maio 2012

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

.tags

. apostas

. arte e design

. artes e design

. cibercultura

. ciberfeminismo

. cibermemórias

. cinema

. colaborações

. divulgação

. enigmas

. entrevista

. exposições

. festas

. game art

. game art exposições

. gamers

. iconografias

. indústria de jogos

. interfaces

. jogos e violência

. livros sobre jogos

. mouse conf.

. mouse no obvious

. mouseland

. myspace

. pop_playlist_game

. portfólios

. script

. segredos

. séries tv

. teatro

. textos

. viagens

. viagens cinema

. todas as tags

.links
.participar

. participe neste blog

.MOUSELAND _ PATRÍCIA GOUVEIA
ARTES E JOGOS _ DIGITAIS E ANALÓGICOS
blogs SAPO
.subscrever feeds