Quarta-feira, 13 de Junho de 2007
“DEXTER”, SERIAL-CARRASCO_por rafgouv
dexter_intro.jpg

DEXTER, a série de televisão que o canal americano Showtime começou a difundir em 2006 é um objecto particularmente siderante pela sua aparente amoralidade. Grande parte dos episódios da 1ª época da série [1] foram realizados por Michael Cuesta [2], um dos realizadores mais regulares de Six Feet Under para o HBO, e o seu protagonista não é outro que Michael C. Hall, o David da mesma série. DEXTER tem em comum com a série de Alan Ball uma certeira morbidez e uma estrutura centrada no núcleo familiar mas o seu elevado poder subversivo remete sobretudo para as duas primeiras épocas de outra série do Showtime, Nip/Tuck, que infelizmente, enredada numa teia soap, está cada vez mais longe de cumprir as suas promessas iniciais. 

dexter.jpg

DA ARTE DE PROJECTAR O SANGUE

Dexter é um médico legista da polícia de Miami na qual trabalha também, como detective, a sua inseparável irmã Debra [3]. A especialidade de Dexter é a interpretação crítica das projecções de hemoglobina nas diversas cenas de crime. Quando a série começa, um novo assassino – o Ice Truck Killer – começa a espalhar os seus objectos artisticos pela cidade. O Ice Truck Killer tem a particularidade de não abandonar os corpos seccionados das suas vítimas sem antes os ter cuidadosamente sangrado até à última gota. Talento face ao qual o “herói” da série não pode deixar de se estarrecer. 

Ao mesmo tempo que faz o seu “coming out” letal, o Ice Truck Killer inicia um autêntico jogo de pistas com Dexter, semeando referências ao passado do protagonista e da sua família. É que Dexter tem um segredo, desvendado, fiquem descansados, desde o primeiro episódio: adoptado durante a infância por um polícia (o pai de Debra), o “herói” sentiu desde a tenra infância profundas pulsões assassinas. Foi graças à educação do seu pai que Dexter foi canalizando essas pulsões para, de acordo com a tradição dos super-anti-heróis justiceiros da cultura pop americana, servir a comunidade. Aquilo que distingue Dexter dos outros serial-killers é a forma conscienciosa como selecciona as suas vítimas mas de forma alguma o tratamento que lhes reserva.

dexter1.jpg

DA MORTE COMO PULSÃO BENIGNA

O enorme fascínio exercido pela série reside na relação de atracção/repulsão que se instala entre o protagonista e o espectador e na forma como os seus autores dinamitam as referências morais a que nos vamos querendo agarrar. Assim, os autores exploram com uma falta de complexos tão surpreendente quanto perturbante, e com uma amoralidade largamente superior à do protagonista [4], as entranhas do subconsciente esquizofrénico do homem moderno: predação acompanhada de falta de desejo sexual, relativismo dos laços de sangue, miséria afectiva, obsessão lúdica... Para ser o perfeito avatar televisivo do Patrick Bateman de Brett Easton Ellis [5], só falta a Dexter a obsessão consumista (mas Dexter, ao contrário de Bateman, é uma personagem “simpática”).  

Aceitar que a pulsão mortifera seja tratada – e canalizada – como qualquer outra pulsão, sexual, social ou psicológica, não é para mim uma operação moral fácil. No entanto, a série DEXTER tem o mérito de colocar estas questões frontalmente, tarefa por excelência moralista. Por outro lado, a série (pelo menos na sua 1ª época) evolui numa corda bamba de ambiguidade sem nunca resvalar completamente (pelo menos até agora) para o relativismo “psicologista” (todas as pulsões são aceitáveis se bem canalizadas) nem para o fascismo latente (exaltar a justiça individual e a pena de morte lenta e penosa). 

PS: FREE PARIS HILTON!!!

[1] A segunda época deverá ir para o ar nos Estados Unidos a partir de Setembro, se as vozes mais escandalizadas não comprometerem até lá a sua passagem.
[2] Cuesta é também um realizador de cinema audacioso, autor de L.I.E. e de Twelve and Holding  que são, a par de Mysterious Skin de Greg Araki, dois dos melhores filmes recentes sobre a pedófilia e a sexualidade adolescente.
[3] A fabulosa Jennifer Carpenter, razão suficiente para ver The Exorcism of Emily Rose, mix interessante (e para muitos ultra-reaccionário) de filme de terror e de filme de processo, de Scott Derrickson.
[4] Algumas vozes mais radicais criticam a submissão da série ao “topos” do justiceiro mas podemos também considerar que sem recorrer a tal cliché a série resvalaria para o “snuff” nauseabundo.
[5] in American Psycho


8 comentários:
De Bruno a 13 de Junho de 2007 às 22:06
Acabei de ver esta série há uns quantos meses e no início achei-a genial, mas infelizmente, a meio da série o argumento fraquejou a olhos vistos, e desde então o final tornou-se tão óbvio que vi o resto da série na esperança de um twist que nunca chegou.
Não deixa no entanto de ser uma excelente série, principalmente pela porta que nos abre ao interior de uma mente tão horrívelmente fascinante como a de Dexter.
O que mais me surpreendeu foi acabar por me identificar com ele em muitos aspectos, obviamente não com a frieza e vontade de matar que o atormenta, mas com a necessidade de representar para se integrar na sociedade, comportando-se de um modo que lhe é estranho para que os outros o achem normal, reflectindo o que acontece tão frequentemente na nossa sociedade...

bruno


De mq a 13 de Junho de 2007 às 22:45
Raf
Deixaste-me em pulgas para ver a série!!...:wink:
Acho que tb me fascinam estes comportamentos/mapas mentais que saem fora do conceito daquilo que é tomado por "normal"...
Abr,
mq


De Carecone a 14 de Junho de 2007 às 04:36
Não tenho canall fechado, não passa no canal aberto...
Fiquei curioso!
Bj.


De rafgouv a 14 de Junho de 2007 às 08:33
:lol: bruno,
Falta-me ver os 2 últimos episódios mas por enquanto não tenho de todo esse julgamento: na minha opinião esta 1a época segue um crescendo de subversão... No entanto, é certo que não será fácil manter o nível. Por mais subversivo que seja não existe nenhum filão ficcional que possa durar eternamente. Se The Sopranos parece desmentir esta regra, as séries mais atípicas debatem-se frequentemente com a quebra criativa (Nip/Tuck) ou com a censura (Profit, a obra-prima negra dos nineties, também ela fortemente influenciada por Easton Ellis, que não ultrapassou a 1a época: http://www.imdb.com/title/tt0115323/ )...

Quanto ao tema da duplicidade e da representação, é de facto um dos elementos em que se baseia a cumplicidade entre Dexter e o espectador da série e a subsequente identificação perversa que se estabelece.

:lol: mq,
Não percas e depois vem cá dizer o que achaste...

:lol: carecone,
Longe de mim sugerir o P2P ou qualquer forma de download menos legal... A mouselândia não é uma república de piratas!


De mouseland a 14 de Junho de 2007 às 10:06
Olá a todos!

Ainda não vi a série mas Rafgouv podes trazer para eu ver a próxima vez que vieres a Lisboa? Para a semana? Já percebi que não tens uma versão pirata :mrgreen:. E por curiosidade já viste os "Piratas das Caraíbas"? Quem escreveu o jogo foi Mathew Costello, um mestre do terror com quem tive a honra de trabalhar em Kent durante dez dias em 1999 http://www.mattcostello.com/ .

xxx mouse


De André a 6 de Janeiro de 2008 às 13:50
É a melhor de todos os tempos, já vi a segunda!! está no topo :wink:


De Anónimo a 10 de Janeiro de 2009 às 01:33


De RIC a 1 de Junho de 2009 às 14:24
www.tvhd.com.br pacote de canais

Tenha uma Tv no seu Pc.
Assista Canais de Tv por assinatura
por umPreço único..
Galera! Provei e gostei
Muito massa essa tecnologia
Veja e confira! www.tvhd.com.br


Comentar post

.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

31


.posts recentes

. EM SÃO PAULO, ENTRE OS RU...

. "THE LAST OF US", AMOR, L...

. QUE SORTE PODER VOLTAR A ...

. MEXICO DF UMA CIDADE ONDE...

. A MINHA SAGA COM O CANDY ...

. QUATRO FILMES A NÃO PERDE...

. PABLO ESCOBAR, O PATRÃO D...

. A MINHA FRUSTRAÇÃO COM O ...

. "THE WALKING DEAD" (GAME)...

. NUMA JANGADA DE POVOS IBÉ...

.arquivos

. Março 2014

. Dezembro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Maio 2012

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

.tags

. apostas

. arte e design

. artes e design

. cibercultura

. ciberfeminismo

. cibermemórias

. cinema

. colaborações

. divulgação

. enigmas

. entrevista

. exposições

. festas

. game art

. game art exposições

. gamers

. iconografias

. indústria de jogos

. interfaces

. jogos e violência

. livros sobre jogos

. mouse conf.

. mouse no obvious

. mouseland

. myspace

. pop_playlist_game

. portfólios

. script

. segredos

. séries tv

. teatro

. textos

. viagens

. viagens cinema

. todas as tags

.links
.participar

. participe neste blog

.MOUSELAND _ PATRÍCIA GOUVEIA
ARTES E JOGOS _ DIGITAIS E ANALÓGICOS
blogs SAPO
.subscrever feeds