Quinta-feira, 7 de Agosto de 2008
OS MUNDOS SINTÉTICOS DE EDWARD CASTRONOVA
syntheticworlds.jpg

syntheticworlds_edwardcastronova.jpg

Synthetic Worlds, The Business and Culture of Online Games (University Of Chicago Press, 2006) do economista Edward Castronova é a síntese de um estudo que levou o autor a mergulhar na realidade dos MMORPGs (Massively ou Massive Multiplayer Online Role-Playing Games) durante aproximadamente três anos. World of Warcraft, Second Life, Eve, Ultima Online, são apenas alguns exemplos dos inúmeros jogos citados no livro. O que achei mais interessante neste livro é a capacidade do autor levantar algumas questões fundamentais para a contextualização desta área no campo da economia. As minhas reservas em relação à abordagem de Edward Castronova situam-se nas afirmações do economista sobre realidade virtual nos jogos e a aplicação de teorias económicas no design de aplicações on-line. De resto, por um lado, é um livro que se recomenda vivamente principalmente para aqueles que têm interesse em entender como o fenómeno dos jogos digitais abrange hoje um campo vasto de especializações e interesses. Por outro lado, o autor tem a virtude de colocar questões e potenciar a reflexão sobre as mesmas.

Um mundo sintético é, para Castronova, um ambiente expansivo para grupos alargados, feito por humanos para humanos, gravado e gerado por um computador. O enredo deste mundo está em aberto e é um espaço que existe na imaginação. Este espaço é gerado digitalmente e representado graficamente através de ambientes 3D e pode ser experienciado por muita gente ao mesmo tempo (Castronova, 2006: 10-15). Para o autor é evidente a impossibilidade de continuar a sustentar a oposição entre real e virtual, fantástico e genuíno, jogo e vida (Castronova, 2006: 48) e existe, no contexto dos MMORPGs, uma realidade partilhada, um realismo social evidente onde os mundos sintéticos são mais do que jogo mas também um fórum de comunicação. O que acontece nestes lugares não é apenas jogo e não é apenas comunicação mas uma interacção real em contexto de jogo (Castronova, 2006: 69). O autor adopta algumas teorias inspiradas certamente em Nietzsche quando afirma que o mundo é um palco onde todos os humanos são jogadores. De acordo com Castronova, a linha entre jogo e não jogo é um constructo social ou uma dualidade distorcida (Castronova, 2006: 270).

Castronova, inspirado em Richard A. Bartle, divide os jogadores em 4 tipos diferentes, a saber: i. exploradores, são aqueles que apenas vão ao tabuleiro recolher informação e criatividade para depois relatarem o que por lá se passa; ii. socializadores, são os jogadores que tem como fito encontrar outras pessoas ou avatares no jogo e formar grupos de interesse, gerar comunidades, objectivos comuns; iii. descobridores, são os indivíduos que usam o tabuleiro para construir coisas e ganhar respeito social, gostam da acumulação de objectos digitais e capital, têm vontade de aumentar as capacidades do seu avatar no sentido deste criar novas estruturas e mudar o próprio mundo digital; iv. e, por fim, temos os controladores, ou aqueles que chegam ao jogo com o intuito de dominar outras pessoas, gostam de competir e controlar os outros (Castronova, 2006: 72-73). O problema da realidade versus ficção começa então a surgir de forma, quanto a mim, escorregadia no discurso de Castronova. Querendo o autor fugir ao problema das dualidades real/virtual acaba por mergulhar numa outra dualidade, ou seja, a dualidade entre corpo e mente. Parece-me óbvio que se toda a gente considerar que um dragão é real então este passa a ser real e toda a gente passa a agir como se fosse. Ora, é evidente que a noção de real implica partilha e consentimento. O que me parece menos óbvio é o mergulho demasiado rápido no problema da relação do mundo sintético com o mundo real e a forma como esta relação se descarta da carne.

connect_body.jpg

connect_body_1.jpg

Prescindindo de uma análise das corporalidades inerentes à experiencia de jogo o autor, numa digressão pela realidade virtual realça, no appendix do livro, a distinção entre realidade virtual nos jogos e as teorias dos pioneiros da RV associadas à interacção humano-máquina. Esta classificação carece, parece-me evidente, de um meio-termo e descarta completamente a importância do corpo e a impossibilidade de separar o corpo da mente insistindo nessa mesma separação. A versão VR nos jogos digitais foca-se nas comunidades e não em indivíduos, por oposição às teorias da RV tradicional que pretendiam simular a percepção em ambiente artificial. A versão VR nos jogos digitais remete-nos para software e não para hardware (este ponto acho de desconsiderar mas enfim…). A versão VR nos jogos digitais é impulsionada pelo mercado comercial e não por laboratórios de investigação (Castronova, 2006: 285). Penso que, usando uma expressão corriqueira, nem tanto ao mar nem tanto à terra, e os híbridos das duas tendências são cada vez mais evidentes nos parques infantis sintéticos que apelam à teatralidade improvisada.

A utilização do termo VR, desenvencilhando-se da muito mais premente questão da simulação, será sempre uma incongruência pois, logo à partida, falar de realidades alternativas é, para mim, um equívoco maior do que enveredar por incursões à volta do tema da ficção como já tantos autores fizeram (Atkins, 2003; Jull, 2005, entre outros). O mundo persistente partilhado de que fala Edward Castronova é um lugar atreito à construção de ficções mas que ainda descarta a fisicalidade da interacção. Consolas como a Wii surgiram no intuito de precisamente colmatar o problema da desincorporação nos dispositivos actuais. A necessidade de ter em atenção a questão da incorporação e a dualidade mente/corpo nos discursos da cibercultura foi já sobejamente analisada, nomeadamente por mulheres (Laurel, 1993; Murray, 2001; Stone, 2001; Hayles, 1999). O agenciamento e a imersão de que fala Edward Castronova não se ficam meramente pela percepção da partilha com outras pessoas mas necessitam também do envolvimento do corpo próprio do jogador.

O próprio autor acaba por fornecer boas pistas neste sentido ao referenciar alguns projectos de realidade aumentada (AR), nomeadamente da University of Lancaster, Uk, e da Singapore National University, que têm a finalidade de fundir dados da realidade com dados provenientes da simulação digital. No caso da University of Lancaster, o computador gera um monstro e localiza-o geograficamente na Terra. Assim, o participante da interacção tem que descobrir o monstro através do ecrã e depois correr a aniquilar o mesmo na realidade. Neste contexto, o participante pode disparar para o objecto numérico, não visível para outros indivíduos que não tenham os mesmos óculos, e acabar com ele (Castronova, 2006: 90).

worldofwarcraft.jpg

secondlife.jpg

Edward Castronova usa a metáfora da membrana porosa para identificar a relação entre os mundos sintéticos e o mundo real. Uma outra versão do círculo mágico (Salen & Zimmerman, 2004; Jull, 2005, etc.) imposto pelo tabuleiro de jogo. O autor americano chega mesmo a afirmar que a “membrana é o círculo mágico que protege o mundo de fantasia do mundo exterior” e “que é porosa pois não pode ser completamente selada” (Castronova, 2006: 147). Segundo Castronova, e com ele concordamos inteiramente, o termo virtual perde significado pois não existe uma separação evidente entre virtual e real na interacção humano-máquina.

As economias sintéticas baseiam-se no estudo da escolha e da tomada de decisão em condições de escassez e o tempo é o último recurso fazendo, de acordo com o autor, do paradigma da escolha em condições de escassez um lugar para inquirir sobre trabalho, compras e investimento (Castronova, 2006: 172-74). Neste contexto, somos introduzidos ao estudo de alguns aspectos de design económico que podem contribuir para a implementação de uma economia de mercado on-line nos MMORPGs. Esta economia, pode fomentar um sentimento de “Fun”, ou seja, de maior diversão e significação dos media participativos. Sugerem-se algumas dicas para o design de plataformas digitais on-line: criação de coisas e de identidades; implementar missões e finalidades claras; gerar competição robusta em condições de igualdade de oportunidades; considerar a aplicação de situações de risco e de sorte ou azar; permitir a aquisição de propriedade e a possibilidade do crime (roubo e prisão); e, finalmente, gerar o caos e a história a um nível macro (Castronova, 2006: 179). Segue-se uma análise de alguns princípios de design económico sintético a ter em consideração que tiram partido de inúmeras fórmulas matemáticas e que confesso achei chata.

Com o autor pensamos que é o fenómeno associado à migração de milhões de pessoas para os MMORPGs que merece a nossa atenção e que este não pode de todo ser ignorado. Com o autor não concordamos quando este se refere a dualidades entre corpo na Terra e corpo Sintético. Não existe uma diferenciação entre ambos pois um responde aos movimentos do outro. Não podemos de todo concordar com frases como “and once everybody gets used to the fact that bodies dont matter” (Castronova, 2006: 258)… É claro que o próprio Castronova também oscila entre esta afirmação e outras como, por exemplo, “a young person who comes of age learning only that the synthetic body can do all things while the Earth body is weak, decrepit, and unworthy will gradually lose respect for the Earth body, with terrible consequences” (Castronova, 2006: 263). Afirma-se, logo de seguida, que experiências a partir de mundos sintéticos têm que ser enriquecedoras e não devem substituir as experiências físicas mas volta-se recorrentemente, ao longo de todo o livro, à problemática da incapacidade das pessoas viverem no mundo real e daí a aderência em massa, numa suposta procura de sentido, aos ambientes digitais. Curiosa é a insistência do autor em afirmar o isolamento do corpo, os riscos que este corre e a sua fuga para o ciberespaço. Esta leitura é que nos parece bastante equivocada e insiste na possibilidade da mente se libertar do corpo nos meandros da rede, da mente flutuar em realidades sem peso enquanto se descarta da carne, que fica num só sítio, porque a Terra se tornou muito perigosa.

iavatar_meadows.jpg

maffesoli_iconologies.jpg 

A vulnerabilidade do corpo no seu contexto social é de tal forma exagerada que se chega mesmo a falar dos mundos sintéticos como escudos e protecções deste (Castronova, 2006: 281). Se Castronova não fosse americano seria imperdoável este discurso mas realmente recordou-me os medos construídos inerentes à cinematografia de M. Night Shyamalan ou ao filme Safe (1995) de Todd Haynes, entre outros. É curioso como estas ideias de separação do corpo e da mente ecoam também no livro I, Avatar, The Culture and Consequences of Having a Second Life, de Mark Stephen Meadows (2008), que cita de forma directa Castronova. Este livro é uma viagem muito bem escrita pelos meandros do jogo da Linden Lab e envolve o leitor numa trama de acontecimentos reais e sintéticos. A investigação relatada em I, Avatar é fruto de alguns anos de experimentação a partir do Second Life e remete-nos para a construção de retratos digitais dinâmicos que apelam ao teatro do improviso, uma ficção bastante real desde a antiguidade clássica, diria eu.

Os mitos são recorrentes e ao que parece nunca podemos prescindir deles mas como diz Michel Maffesoli no seu último livro, Iconologies, Nous Idol@tries Postmodernes, só uma concepção óptica do mundo na vida social vai acentuar a separação, numa dicotomia do corpo e do espírito, da natureza e da cultura, do “eu” e do “outro”, do público e do privado. Ora, é afinal destas dicotomias que Edward Castronova nunca se separa. Não podemos viajar, talvez ainda, livremente no ciberespaço sem o peso do corpo porque ele está sempre presente em todas as nossas acções e afinal já não acreditamos que “primeiro era o verbo” mas antes sabemos que “primeiro vem a acção” e que é o activismo vital que dá conta da nossa viagem no mundo sintético da ficção.


22 comentários:
De rafgouv a 8 de Agosto de 2008 às 11:15
:smile:
Tema e texto muito interessante embora esteja em desacordo com a sua conclusão...
Por um lado, pelo que li no artigo a teoria de Castronova é perfeitamente compatível com tudo o que um Maffesolli diz... As mitologias pósmodernas partilham também toda essa temática da fuga ao "corpo": a droga, a realidade virtual, a televisão, sem falar de práticas menos banalizadas como o sadomasoquismo, as sexualidades paragenitais, os jejuns e a procura de transes, testemunham de uma vontade de fugir aos constrangimentos do corpo... E isto sem falar dos problemas de obesidade e de sedentarismo que são indissociáveis de uma evidente desdramatização da importância do "corpo".

Isto não me parece contraditório com o reconhecimento básico de que a "mente" é também, a outro nível, uma parte do corpo e dele indissociável. São apenas níveis de análise diferentes mas não contraditórios.

A visão do futuro da humanidade que é veículada pelo fabuloso WALL-E de Andrew Stanton partilha também, sob forma extremamente (demasiado?) distópica, essa crescente secundarização do corpo a que conduz (eventualmente) a tecnologia e os novos modos de vida.


De mouseland a 8 de Agosto de 2008 às 18:05
:mrgreen::mrgreen::mrgreen: Olá Rafgouv, totalmente complementares, eu diria mesmo estranhamente complementares. A questão é que Maffesoli vai mais longe na forma como “mostra” como o corpo está no centro da animalidade, orientalização e experimentação da identidade pós-moderna, talvez por ser francês, não sei, e herdar toda uma tradição de filósofos que fizeram do corpo e da acção vital o seu “cavalo de batalha”, a saber, H. Bergson, Merleau-Ponty. Uma especialidade francesa que muito aprecio e que em Mafessoli se torna uma lição de estética. Acho que neste aspecto o livro “Iconologies” faz uma excente síntese!

Castronova percebe a importância da carne, do sangue e dos músculos inerente ao impulso vital e aos seus fluidos, mas no seu discurso transpira as velhas separações do século das luzes, do racionalismo e da distinção mente/corpo. Note-se que delas quer fugir mas por ser certamente um economista e não um filósofo a elas volta recorrentemente. É claro que o mais interessante do seu discurso é que, por vezes, transpira quase para a dialéctica (sim, não, tese e antítese… sim, não) mas nunca se liberta totalmente das máximas de Descarte (penso, logo existo, por oposição ao sinto, logo existo de Damásio, por exemplo).

De resto, quanto a semelhanças há imensas, ambos se preocupam com a complexidade do êxodo para as comunidades on-line, ambos falam da turbulência e da mitologia actual. Ambos nos remetem para a descontrução do sério, para a ludologia, e para a incapacidade da maioria dos críticos, jornalistas e artistas contemporâneos (Maffesoli) mas também da cultura de massas (Castronova) lidar e perceber o aspecto tribal da realidade do século XXI. xxx mouse


De rafgouv a 8 de Agosto de 2008 às 18:56
Não me lembro de ver em Maffesoli essa "centralidade" do corpo. A reaparição dessa oposição entre o corpo e o espírito parece-me uma tendência (um trend) pós-moderna que tanto Maffesoli como (pelo que aqui dizes) Castronova apontam. O sincretismo entre o corpo e o espírito faz claramente parte dos paradigmas do materialismo "moderno" que no entender do autor das Iconologies estão "ultrapassados" (mas hão-de possivelmente ressurgir numa eventual "néo-modernidade").

O "corpo" de que falamos aqui não pode ser assimilado ao "corpo" de Damásio... é um pouco como se fossemos buscar teorias sobre os seres vivos em geral para ilustrar uma discussão sobre orquídeas. Os paradigmas de que falam Maffesoli e Castronova não vêm confirmar nem infirmar qualquer teoria científica sobre o funcionamento do cérebro: trata-se apenas de constatar que a(s) tecnologia(s) permite(m) escapar (esquecer, transfigurar, transformar, melhorar, embelezar, potenciar, amputar, estender, etc. etc.) o corpo débil com que nascemos. Ora, neste sentido (o corpo com que morremos é cada vez mais diferente do corpo com que nascemos), podemos considerar que há de facto uma oposição entre um corpo em constante transfiguração e uma mente totalitária (oposição que de resto já aparecia nesse paradigma cultural de todos nós que é o 2001 de Kubrick e que reaparece em Wall-E) que o pretende renegar.


De mouseland a 9 de Agosto de 2008 às 15:33
:shock: Essa da orquídea é cómica mas muito ao lado. Na minha humilde opinião (Maffessoli refere-se à idade da humildade, hehehe) se muita gente lesse o que dizem os cientistas, neste caso os neurologistas, sobre o corpo e sobre a mente e a impossibilidade de separar e categorizar o mundo, se muita gente percebesse alguma coisa sobre o funcionamento biológico, quiçá compreendesse através da ciência, a própria animalidade (de que tanto fala Maffesoli) inerente à sobrevivência da espécie e às estratégias físicas desta, comia menos alguns discursos teóricos sobre transposição da alma para o digital e sobre a possibilidade das tecnologias permitirem “escapar (esquecer, transfigurar, transformar, melhorar, embelezar, potenciar, amputar, estender, etc. etc.) o corpo débil com que nascemos”. Não percebo o teu plural entre aspas..? :mrgreen::mrgreen::mrgreen:

Ora, é precisamente porque as pessoas só consomem e lêem ficção e têm um desprezo puro pelo que os cientistas dizem que estas teorias sobre a contemporaneidade acabam sempre em dualidades. Maffesoli, segundo a minha interpretação, passa o tempo todo a falar do corpo e de estética (como experiência do corpo, claro), mas isso são pontos de vista. Sobre questões relacionadas com a construção cultural do aparato corporal (sempre associadas ao feminino) por oposição à mente (sempre associada, curiosamente, ao masculino) aconselho realmente António Damásio e, por exemplo, Richard Dawkins, ambos críticos e clarividentes na miopia geral. Eu prefiro olhar para o todo e só depois usar a lupa, pois a interdisciplinaridade, mas também o pós-modernismo ensinou-me que o problema do modernismo foi precisamente a especialização, a miopia daquele que sabe muito sobre muito pouco. Podes ainda ler um filósofo, dos poucos que se dá ao trabalho de ler a produção científica, D. C. Dennet, que também pode ser uma pista. O resto, são ficções e o pior é quando estas se fazem passar por realidade(s). Aqui fica bem o (s) também.

A minha diplomacia ensina-me que algures há que fazer um pouco o equilíbrio entre o relativismo pós-moderno e algum conhecimento científico que o pós-modernismo afastou como crítica ao modernismo. O pós-modernismo, e nisso Maffesoli está sempre a dizê-lo, acaba por recriar a fé por oposição à ciência, ou melhor, do discurso da ideologia científica. Nunca há a possibilidade de um consenso entre modernismo e pós-modernismo como se não fizessem parte da mesma moeda, duas faces talvez.... Mas recorre-se sempre a dualidades. Ora, talvez te ilumines com o último livro do Daniel C. Dennett, “Breaking the Spell: Religion as a Natural Phenomenon”. xxx mouse


De mouseland a 9 de Agosto de 2008 às 15:40
:mrgreen::mrgreen::mrgreen: Acabei de ver o "Lost", primeira série, todos os produtos da cultura popular têm que ser discursos sobre "destino" e "ciência"? Dá que pensar... Está lá toda a receita do diagnóstico do Maffesoli: números, feitiços, misturados com muita ciência oriental e ocidental, sobrevivência e actos nobres. O meu preferido: Sawyer! xxx mouse


De rafgouv a 10 de Agosto de 2008 às 15:16
Ok! Isto faz-me lembrar o diálogo entre uma pessoa que diz que tem dores de barriga e outro que lhe responde que isso é impossível pois somos todos feitos de luz e poeira de estrelas. Se estivéssemos todos a par das últimas descobertas da ciência sabiamos perfeitamente que não temos sequer barriga, quanto mais dores, era uma fezada!

Continua a ver o Lost. Faz bem perdermo-nos! Os meus preferidos : Kate, Juliet, Ben e Charly.
:mrgreen:


De rafgouv a 25 de Agosto de 2008 às 14:10
E já agora não posso deixar de fazer uma curta citação de Catherine Millet, cujo novo livro sobre o ciúme deve estar a sair:

"On m'a souvent demandé comment je pouvais accepter de me faire photographier nue, sans préparatif, de façon presque impromptue, sur un quai de gare ou un banc de jardin, et j'ai toujours répondu que je m'en fichais. Ce sont les images d'un corps, certes, mais ça n'est pas moi. Mon corps n'est pas ma personne. Quand je le prête à d'autres, je peux m'en retirer."


De mouseland a 31 de Agosto de 2008 às 20:55
:mrgreen::mrgreen::mrgreen: Pois deve ser por fazer uma separação tão evidente entre corpo e "persona" que esta senhora se despe tão facilmente, :mrgreen::mrgreen::mrgreen: Não deixa de ser sintomático. A verdade é que C. M. é interessante q. b. mas não para todos os gostos. Esta frase é um tanto ou quanto ridícula. xxx mouse


De rafgouv a 1 de Setembro de 2008 às 08:45
:twisted: Epá!!! Esses ventos canadianos surtiram um estranho efeito ou será que o Sr. João César das Neves pirateou a identidade mouseland para fazer considerações sobre a facilidade com que a Senhora Dona Catherine Millet se despe? :roll:
Apesar de começar a ter alguma experiência da boçalidade portuguesa, fico sempre tresloucado com estas puritanas ordinarices.


De mouseland a 1 de Setembro de 2008 às 13:42
:mrgreen::mrgreen::mrgreen: Eu acho piada é que depois de teres afirmado: "Ok! Isto faz-me lembrar o diálogo entre uma pessoa que diz que tem dores de barriga e outro que lhe responde que isso é impossível pois somos todos feitos de luz e poeira de estrelas" apareças com a C. M. e as suas considerações ligeiras sobre a relação mente e corpo descarnado. Ora, o que é que uma coisa tem a ver com a outra? Parece que não estamos a falar da mesma coisa... e mais agora com considerações "experiência da boçalidade" e "puritanas ordinarices"... já sei quem é que está a precisar de férias! Nada joga com nada. xxx mouse


Comentar post

.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

31


.posts recentes

. EM SÃO PAULO, ENTRE OS RU...

. "THE LAST OF US", AMOR, L...

. QUE SORTE PODER VOLTAR A ...

. MEXICO DF UMA CIDADE ONDE...

. A MINHA SAGA COM O CANDY ...

. QUATRO FILMES A NÃO PERDE...

. PABLO ESCOBAR, O PATRÃO D...

. A MINHA FRUSTRAÇÃO COM O ...

. "THE WALKING DEAD" (GAME)...

. NUMA JANGADA DE POVOS IBÉ...

.arquivos

. Março 2014

. Dezembro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Maio 2012

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

.tags

. apostas

. arte e design

. artes e design

. cibercultura

. ciberfeminismo

. cibermemórias

. cinema

. colaborações

. divulgação

. enigmas

. entrevista

. exposições

. festas

. game art

. game art exposições

. gamers

. iconografias

. indústria de jogos

. interfaces

. jogos e violência

. livros sobre jogos

. mouse conf.

. mouse no obvious

. mouseland

. myspace

. pop_playlist_game

. portfólios

. script

. segredos

. séries tv

. teatro

. textos

. viagens

. viagens cinema

. todas as tags

.links
.participar

. participe neste blog

.MOUSELAND _ PATRÍCIA GOUVEIA
ARTES E JOGOS _ DIGITAIS E ANALÓGICOS
blogs SAPO
.subscrever feeds