Sexta-feira, 20 de Março de 2009
BUENOS AIRES_SOFISTICADA E CULTA
buenosaires_vistas.jpg

buenosaires_ruas_1.jpg

buenosaires_ruas.jpg

buenosaires_ruas_2.jpg

buenosaires_ruas_4.jpg

Ora, com tantos pedidos vou assim fazer o tão esperado relatório das aventuras e desventuras da mouse nas pampas. Cheguei a Buenos Aires na terça-feira de manhã depois de uma viagem cheia de turbulência, de quase dezasseis horas contando com a escala em Paris, onde não resisti à tentação de ver no avião o máximo de filmes que consegui. Assim, fui surpreendida pelo filme The Duchess (2008), uma obra que vale a pena essencialmente pela narrativa histórica, que desconhecia, e por alguma possível interpretação ciberfeminista. Achei bastante estimulante a forma como são apresentadas as relação das personagens, a sua engrenagem nas instituições (políticas, culturais, sociais…) e o enredo amoroso algo escabroso. Vi Australia (2008) que me pareceu um filme enfadonho e nem as paisagens, nem Nicole Kidman e Hugh Jackman, me convenceram. É verdade que dado que não tinha legendas e com a turbulência a bordo alguns diálogos foram difíceis de seguir mas em geral pareceu-me um enorme pastelão de clichés. Seguiu-se, Rachel Getting Married (2008), um filme que estava desejosa de ver pois sou uma admiradora de Jonathan Demme desde Something Wild de 1986. Gostei bastante pelos actores, pelo relato de uma família disfuncional, pela ambiência caótica e epidérmica, documental e simples. Finalmente, vi The Visitor (2007), um filme bastante curioso e que, mais uma vez, nos mostra como o cinema pode estar mesmo a caminhar para estas produções singelas de baixo orçamento. Bons actores e uma história que todos conhecemos mas que se torna mais nítida naquela caminhada pelos meandros da imigração nos Estados Unidos. Enfim… como podem calcular com o visionamento de tanta película dormi pouquíssimo.

buenosaires_candeeirospacman.jpg

buenosaires_pub_3.jpg

No aeroporto de Buenos Aires lá esperei mais de meia hora pelo carimbo no passaporte e, sempre com receio de extravio de bagagem, lá vi aparecer a minha mala laranjinha de 12 quilos na passadeira rolante. Fui comprar a viagem de táxi a uma empresa creditada pelo aeroporto, depois de várias propostas de taxistas não creditados, claro! “Aterrei” no Hotel Íbis no centro da cidade por volta das onze horas, morta de cansaço. Tomei banho e por momentos pensei que não tinha energia para não me meter na cama. Recomendo vivamente este local, preço/qualidade garantido, e bem situado numa praça interessante da cidade. Como na porta do meu quarto tinha tantas advertências sobre segurança, rapidamente me senti consciencializada com a ideia que estava num país sul-americano. Desde 2007 que não sabia o que isso era e lembrei-me logo de uma situação evidente dos procedimentos que é preciso tomar nestas ocasiões, ou seja, reduzir ao mínimo a exteriorização de relógios, máquinas, carteiras, ou qualquer outro objecto apelativo. Uma vez aqui em Lisboa fui ao Colombo, depois de uma estada em São Paulo de muitos meses, e ainda sentia a pressão de olhar e controlar a carteira em cada esquina. Estava aqui como se estivesse em São Paulo.

buenosaires_manifest_1.jpg

buenosaires_manifest_2.jpg

buenosaires_manifest_3.jpg

buenosaires_manifest.jpg

Lá me decidi a ir explorar o local dos encontros 3rd Inclusiva-net Meeting: NET.ART (SECOND EPOCH). The Evolution of Artistic Creation in the Net-system pois sabia que tinha que fazer o percurso a pé, dado que o trânsito é imenso naquela zona, e foi assim que percorri os doze quarteirões do hotel ao espaço do Centro Cultural de Espanha em Buenos Aires (CCEBA). Lá fui, com o mapa Google, a disfarçar as espreitadelas ao papelucho e a tentar mostrar que conhecia cada esquina de Buenos Aires como a palma da minha mão. Naquela tarde ainda me parecia pouco provável pensar em transportar o computador às costas mas, nos dias seguintes, já nem me lembrava das advertências sobre segurança na porta do meu quarto. Reconhecia as ruas que tinha percorrido há cinco anos e o corpo já se tinha adaptado novamente à América do Sul. Estava a começar a reconhecer os cheiros, o ambiente e as sinuosidades do território. O caminho nessa tarde pareceu imenso e quando cheguei ainda ouvi o final da comunicação de Curt Cloninger.

buenosaires_geral.jpg

No intervalo entre a sessão da tarde e a sessão da manhã fui deglutir uma costeleta de “cerdo” com puré de maça que me soube divinalmente e às 16 horas já estava de volta para ouvir a comunicação de Steve Dietz. Este seminário foi interessante e curiosamente foi apontado o gaming como uma tendência da evolução das práticas artísticas. Fiquei com alguma confiança para a minha apresentação pois parecia quase uma introdução às manobras que eu apontaria como a minha área de investigação actual. Depois de umas compras nas redondezas cai na cama com o noticiário: um surto de taxistas violadores e a insegurança e a violência tomavam conta da agenda do dia. Ouvi ainda nas notícias que se aproximava um dia seguinte em que chovia em Buenos Aires aquilo que poderia chover durante um mês inteiro… 

Quarta-feira choveu literalmente o dia todo. Cuidadosamente decidi vergar-me à preguiça, não fosse adoecer, e passar o dia a descansar e a treinar a comunicação no hotel. Dado o cansaço acumulado, o excesso de ar condicionado dos últimos dias e a chuva, nem as redondezas do Íbis me pareceram convidativas a um passeio e decidi colocar os e-mails em dia e dormir descansadamente num stop over decisivo para o dia seguinte. 

Quinta-feira fui almoçar com os organizadores, Juan Martin Prada, director do programa, José Luis de Vicente, jornalista e comissário de vários festivais e eventos sobre cultura digital e Marcos Garcia do Medialab_Prado. Antes dos cinquenta minutos de fama não tinha grande apetite e pelas quatro horas lá estava eu a debitar a minha conversa para uma audiência de mais ou menos cinquenta pessoas que, segundo percebi no dia seguinte, vinham de vários cantos da América Latina (Peru, Chile, Brasil, etc.), dois ou três americanos e espanhóis. O resto da audiência parecia da Argentina, de Buenos Aires mas não só. No final, Steve Dietz comentou que a minha comunicação tinha muita informação e pediu para referenciar novamente o nome de Egas Moniz. Uma argentina de Cordóba, assim como um amigo dela, disseram-me que tinham gostado muito da apresentação e que os tinha deixado sem palavras pois era muito diferente das outras. Para além disso acabei por ter pouco feedback. Juan Martin Prada agradeceu-me novamente, ouve palmas, mas não sei exactamente o que quiseram dizer por questões talvez culturais. Não tive nenhum “bravo” como em Vancouver, sniff, sniff. O público também era muito mais novo, na sua generalidade, do que o do Canadá.

Seguiu-se o seminário de Daniel Garcia Andújar sobre plataformas para comunidades digitais. Penso que estava um bocado abananada com o efeito pós missão cumprida para apreender algumas coisas mas confesso que achei um pouco confuso. No dia seguinte fui assistir ao grupo de discussão que foi interessante e onde se apresentaram alguns projectos com piada provenientes do Peru, do Chile, da Argentina e onde Marcos Garcia apresentou o Medialab Prado. Gostei principalmente do robot que junta lixo (basura), da máquina de gerar sonhos, Dreamlines e do projecto Outsource Me! Tudo presente na apresentação do argentino Leonardo Solaas.

buenosairespubelixo.jpg

buenosaires_lixo.jpg

buenosaires_lixo_1.jpg

Curiosamente em 2003 uma das coisas que mais me surpreendeu na visita que fiz a Buenos Aires foi a forma como o lixo tem uma presença tão intensa na cidade. Para quem vinha de São Paulo e chegava à sofisticada Buenos Aires ver tanta gente a remexer no lixo era um fenómeno que não escapava facilmente à atenção mesmo de um turista. Desta vez constatei que esse olhar era mais real do que na altura pensei. Como se pode constatar no site Basurama e na introdução de Leonardo Solaas aos robots recolectores. O lixo torna-se uma presença constante, pequenos aglomerados e lixeiras pela cidade, remexidos, pesquisados. É uma coisa estranha.

buenosaires_elateneo.jpg

buenosaires_elateneo_1.jpg

De resto, de assinalar uma ida ao cineclube, INCAA, Instituto Nacional de Cine Y Artes Audiovisuales, ver o filme Rodney de Diego Rafecas sobre um miúdo de nove anos e as suas relações com uma família disfuncional. Um filme um bocado desequilibrado e com um argumento por vezes patético. Uma maravilhosa degustação de Ceviche num restaurante Peruano chamado Chan Chan recomendado no Time Out Buenos Aires. Um naco de carne na pedra em Puerto Madero acompanhado por uma salada temperada à la carte e tudo regado com um delicioso copo de vinho argentino. Finalmente, uma visita à livraria el ateneo, já lá tinha estado mas não resisti ir espreitar novamente a recuperação de um teatro onde tantos artistas representaram no passado. Saber mais aqui. Pela primeira vez me disseram para não tirar notas de livros numa livraria… fui coagida por uma segurança a não tirar apontamentos. Tenho o vício de ir buscar inspiração às livrarias locais e depois encomendar os livros pela net, se calhar é desonesto, pelo menos ali nem sequer é permitido. 

Para casa trouxe uma “degustação” de cinema argentino em DVD: Nueve Reinas (2000) de Fábian Bielinsky, um divertido filme sobre dois burlões passado no oponente Hotel Hilton de Puerto Madero, dois actores excelentes, Ricardo Darín e Gastón Pauls, e um enredo que vale mesmo a pena conhecer. Histórias Mínimas (2002) de Carlos Sorin, uma obra que encanta pela simplicidade, pelos enquadramentos subtis e por uma boa direcção de arte. Com música de Carlos Paredes. O argumento remete-nos para três histórias cruzadas, um idoso que decide procurar o seu cão desaparecido há três anos, uma mulher em viagem em direcção a um concurso de televisão e um vendedor ambulante que leva um bolo de anos ao filho de uma mulher que mal conhece. O enigmático e surrealista El Lado Oscuro del Corazón (1992) de Eliseo Subiela que, confesso, tanto achei interessante como um bocado pretensioso e que narra a relação entre uma prostituta de Montevideo e um poeta de Buenos Aires. Finalmente, Tapas (2005) de José Corbacho e Juan Cruz que ainda não vi.

buenosaires_flores.jpg

buenosaires_ruas_5.jpg

O regresso foi calmo e depois de pagas as taxas para deixar o país lá vi mais um ou dois filmes no voo de regresso, o último 007 que achei um bocado fraco e outro que sinceramente já não me recordo qual foi. Voltei a tentar ver o Wall-E e não é que adormeci precisamente no mesmo sítio do filme… aquele filme para mim tem um efeito soporífero e até penso que vou comprar o DVD como terapia da insónia. Buenos Aires deixou-me saudades é uma cidade incrível, as pessoas são de uma simpatia muito especial, discretas, transpiram sofisticação e cultura. É como encontrar um pouco de Paris na América do Sul.

Resta-me aqui reiterar os mais sinceros agradecimentos a Sonia Díez Thale (Medialab_Prado), por ter tratado da minha viagem, hotel e de todos os procedimentos necessários à ida para Buenos Aires, a Juan Martin Prada (director do programa 3er Inclusiva-net) pela forma calorosa como me apresentou, a Marcos Garcia (Medialab_Prado) pelo apoio logístico, à Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias pela integração no projecto Infomedia e à Inês Santa por ter tomado conta da tradução do texto.


9 comentários:
De laca a 20 de Março de 2009 às 01:41
:lol::lol::lol:
mais uma série memorável!!!

*****


De rafgouv a 20 de Março de 2009 às 09:35
Sim, senhora!! Grande viagem!
Algumas questões e comentarios:

- tens algum contrato com os peronistas??
- e a minha t-shirt bocca juniors? sempre seria iconograficamente mais interessante, não?
- se a Duquesa era ciberfeminista (????), a Lady Di era o quê? cyborg??
- pena que não tenhas adquirido tb o excelente El Aura do malogrado Fabian Bielinski, ainda melhor que as 9 rainhas. Para a proxima pede-me conselhos sobre o cinema argentino, que é uma das minhas especialidades.
xxx


De margarida a 20 de Março de 2009 às 15:18
olá mouse:grin:a tua comunicação foi filmada e está disponível online? gostava muito de ver! adorei o trabalho do Leonardo Solaars, a máquina dos sonhos é fantástica:razz: aiiii também quero ir a buenos aires!!!:mrgreen: xx


De mouseland a 20 de Março de 2009 às 16:14
:mrgreen::mrgreen::mrgreen: Olá Laca, Rafgouv e Margarida,

Contrato com Peronistas, nopes! Não tive tempo para t-shirts :cry: andei à procura garanto mas ou coisas modernas ou nada com o maradona, nem com bandeiras... nem no aeroporto... ando a coleccionar espécimes desses para o meu sobrinho de dois anos e não lhe consegui desencantar nada de jeito assim coleccionável. Coisas trendy há aos montes hein. Viram os candeeiros pacman? Entretanto a relação entre as mulheres é que é ciber, complexa, fiel em certa medida, e matreira e sinuosa do ponto de vista da sobrevivência. As instituições é que me interessaram. Viste o "Nueve reinas", é muito bom, não é? Acreditas que em 2003 também nos vedaram a entrada naquele hotel? O p. ficou passado com a ocorrência e nunca mais se esqueceu desse hotel.

A conferência passou em streaming mas eu sou muito discreta para publicitar e como só recebi o endereço quando estava a caminho do aeroporto também não pude divulgar muito, de qualquer forma acho que eles vão editar os vídeos não sei é quando. Opá já estou com vontade de voltar a Buenos Aires, então depois de ter descoberto aquele restaurante peruano o Chan Chan... Vale mesmo a viagem! xxx mouse


De rafgouv a 20 de Março de 2009 às 16:44
vi os selos ai umas 9 vezes :oops: gostei bastante mas como desconfio sempre dos filmes cheios de reviravoltas, deixou-me algumas reservas... embora estivesse convencido que o bielinski seria um dos melhores realizadores do mundo... se tivesse tido tempo para isso... el aura é uma maravilha de thriller lento!!!
a duquesa é uma antepassada e anunciadora da lady di, hein?!!!! pelo menos é o que dizia a publicidade, lol (não vi o filme)
xxx


De laca a 21 de Março de 2009 às 01:29
:roll::roll:

2 x parabénsPARABÉNS

*****


De mouseland a 23 de Março de 2009 às 15:39
:mrgreen::mrgreen::mrgreen: Gracias! xxx mouse


De Mimi a 29 de Março de 2009 às 17:11
"Oh pá".. adoro os teus relatos! Bravo! :mrgreen:

Pequeno à parte: há muitos anos em Cuba fomos passear de barco e pescar. Estava um casal sul americano no barco que pediu parte do peixe para preparar Ceviche e ofereceu a todos. Houve algum cepticismo inicial mas depois todos queriam comer. Era maravilhoso! Foi a única vez que comi, mas ficou definitivamente registado :wink:


De mouseland a 1 de Abril de 2009 às 00:00
:mrgreen::mrgreen::mrgreen: Só agora é que reparei na tua mensagem no editor do blog. Mham... mham... nem me fales naquele prato delicioso... até fiquei a matutar numa ida ao Peru por causa desse sabor... uma degustação memorável. xxx mouse


Comentar post

.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

31


.posts recentes

. EM SÃO PAULO, ENTRE OS RU...

. "THE LAST OF US", AMOR, L...

. QUE SORTE PODER VOLTAR A ...

. MEXICO DF UMA CIDADE ONDE...

. A MINHA SAGA COM O CANDY ...

. QUATRO FILMES A NÃO PERDE...

. PABLO ESCOBAR, O PATRÃO D...

. A MINHA FRUSTRAÇÃO COM O ...

. "THE WALKING DEAD" (GAME)...

. NUMA JANGADA DE POVOS IBÉ...

.arquivos

. Março 2014

. Dezembro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Maio 2012

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

.tags

. apostas

. arte e design

. artes e design

. cibercultura

. ciberfeminismo

. cibermemórias

. cinema

. colaborações

. divulgação

. enigmas

. entrevista

. exposições

. festas

. game art

. game art exposições

. gamers

. iconografias

. indústria de jogos

. interfaces

. jogos e violência

. livros sobre jogos

. mouse conf.

. mouse no obvious

. mouseland

. myspace

. pop_playlist_game

. portfólios

. script

. segredos

. séries tv

. teatro

. textos

. viagens

. viagens cinema

. todas as tags

.links
.participar

. participe neste blog

.MOUSELAND _ PATRÍCIA GOUVEIA
ARTES E JOGOS _ DIGITAIS E ANALÓGICOS
blogs SAPO
.subscrever feeds